Depois de construir uma carreira de sucesso na Europa, Luiz Gonzaga Coelho voltou a Santa Catarina com conhecimentos e capital para empreender, tornando-se referência na indústria de embalagens e da saúde.

Luiz Gonzaga Coelho

Luiz Gonzaga Coelho.

Em 2001, quando estava próximo de completar duas décadas na Suíça, Luiz Gonzaga Coelho voltou à cidade natal, Florianópolis, com um propósito claro. Queria aplicar tudo que aprendera na rica vivência europeia, para onde havia partido ainda como estudante do segundo ano do curso de Administração. Hoje, aos 55 anos, ele tem uma bela história de realizações para contar. Criou a C-Pack Creative Packaging, indústria de embalagens que se consolidou como referência de inovação e qualidade, além de assumir a gestão dos hospitais SOS Cárdio, em Florianópolis, e Imigrantes, em Brusque. Juntos, estes empreendimentos geram 1.100 empregos diretos e devem fechar o ano com faturamento acima de R$ 300 milhões.

Além de atuar como conselheiro dessas organizações, pertencentes à GBGA Holding, ele é também membro do Conselho de Administração da Zürich Airport – gestora do aeroporto de Florianópolis –, presidente da Câmara do Desenvolvimento da Indústria da Saúde da FIESC, conselheiro do SESI-SC e vice-presidente da Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianópolis (Aemflo). A ligação estreita com a Suíça o levou a ser convidado, em 2017, para se tornar cônsul honorário daquele país em Santa Catarina. Com isso, passou a se relacionar com a colônia composta por aproximadamente mil pessoas, entre descendentes e imigrantes mais recentes, concentrada especialmente na região de Joinville.

Para compreender como Luiz Gonzaga chegou a essa lista tão extensa e diversificada de atividades, é preciso voltar ao momento em que o jovem de 20 anos desembarcou na Europa. Depois de uma rápida passagem por Paris, ele seguiu para a Suíça. “Foi amor à primeira vista. Eu me senti em casa desde o primeiro dia”, recorda.

O plano inicial era ficar apenas um ou dois anos longe do Brasil, mas o tempo foi passando rápido à medida que o jovem conhecia pessoas interessantes e encontrava oportunidades profissionais instigantes. A maior delas foi assumir a direção-geral adjunta da Clinique des Grangettes, um hospital de Genebra. O convite veio de Philippe Glatz, suíço que ele conhecera inicialmente como vizinho. Glatz comprou o estabelecimento que até então dirigia e chamou o amigo brasileiro, com quem costumava conversar frequentemente sobre empreendedorismo e inovação, para ajudá-lo na gestão.

“Foi um convite inesperado. Como gosto de desafios, aceitei”, lembra Luiz Gonzaga, que logo depois passou a estudar gestão hospitalar. “Apesar de ser um campo totalmente novo para mim, nossa parceria deu muito certo. Tanto que o pequeno hospital se tornou um dos maiores de Genebra.” Depois de sete anos de trabalho no hospital, Luiz Gonzaga compartilhou com Glatz o desejo de retornar à terra natal. Recebeu não apenas todo o apoio pessoal como também uma proposta profissional: que os dois se tornassem sócios nos futuros empreendimentos em território brasileiro. Surgia, assim, a GBGA, braço brasileiro da holding suíça Pidji.

Considerando a experiência acumulada por ambos, a ideia inicial seria atuar no ramo de hospitais. Surgiram, entretanto, alguns complicadores, es­pe­cialmente o volume dos investimentos necessários. Enquanto o projeto original amadurecia, a saída foi colocar em prática outro plano: a criação de uma indústria de embalagens baseada em alta tecnologia. “Eu sabia que era um setor que ia crescer muito e precisava de inovação no Brasil”, recorda Luiz Gonzaga.

A criação da C-Pack, sediada em São José – e que hoje tem uma filial em São Paulo –, envolveu a aproximação com centros de pesquisa em Santa Catarina, como a Fundação Certi e a área de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O resultado foi uma produção fértil desde o início:

Nos primeiros anos de existência, a C-Pack lançava, em média, dez produtos inovadores para o mercado brasileiro a cada mês.

Outro diferencial da empresa foi a concepção moderna da sede, inaugurada em 2007. “Não queríamos fazer um galpão industrial semelhante aos que costumavam ser erguidos na região”, lembra o empreendedor. O resultado foi um projeto que incluía a preocupação com a ergonomia dos trabalhadores, o uso de fontes renováveis de energia, iluminação natural, tratamento de esgoto e protocolos rigorosos de climatização e higiene.

C-Pack

C-Pack, sediada em São José.

Enquanto a C-Pack se consolidava, a holding avançou para o projeto inicial de atuar no ramo hospitalar. Em 2011, entrou para a sociedade do SOS Cárdio, em Florianópolis, e assumiu a gestão do empreendimento. Em 2017, processo semelhante ocorreu no Hospital Imigrantes, em Brusque. A ênfase sempre dada à inovação e à tecnologia levou à estruturação, dentro da holding, de uma equipe multidisciplinar com a missão de analisar projetos relacionados a novas áreas de atuação. “São possibilidades que nos são apresentadas ou que identificamos por observação do que está acontecendo no mundo”, conta Luiz Gonzaga.

Liberdade | Quem toma conhecimento da história de Luiz Gonzaga pode se perguntar: por que ele não permaneceu na Suíça, onde conheceu a esposa Elisabeth e nasceu a filha Laura, hoje com 28 anos?

Ao analisar em retrospectiva as razões do retorno ao Brasil, ele considera que simplesmente não se sentiria realizado sem ter contribuído para a geração de riqueza em seu país, especialmente em Santa Catarina. Outra motivação foi a vontade de disseminar por aqui uma mensagem a favor da liberdade econômica como vetor de desenvolvimento da sociedade. “Na Suíça percebi claramente que um coletivo livre é composto por indivíduos livres. Quanto mais o Estado intervém, mais gera desequilíbrio.”

Segundo de oito filhos, Luiz Gonzaga conviveu desde cedo com grandes exemplos de dignidade e dedicação ao trabalho. Na luta diária para não faltar nada em casa, a mãe era costureira e o pai tinha uma pequena oficina de automóveis no Estreito. O rapaz começou a trabalhar aos 14 anos numa indústria de embalagens – experiência que viria a ser a inspiração para fundar a C-Pack. Aos 15 decidiu empreender em parceria com um dos irmãos. Os dois abriram uma confecção de surf­wear e, para colocar o negócio em pé, chegaram a construir uma máquina de serigrafia, feita de madeira e aço.

De formação católica, Luiz Gonzaga iniciou os estudos no Colégio Nossa Senhora de Fátima e passou depois por um seminário, antes de ser aprovado no vestibular para o curso de Administração da UFSC. Em 1986, ano do Plano Cruzado, a situação econômica do País parecia tão complicada que o jovem considerou ser um bom momento para sair pelo mundo. Juntou algum dinheiro e partiu para a experiência que mudaria seu destino. Hoje, sem esquecer dos cuidados com o corpo – fazer pilates e outros exercícios é uma regra diária –, ele continua praticando o hobby predileto: adquirir conhecimento. “Adoro acompanhar as novidades nos mais diferentes setores, da arquitetura à biologia. Sou um curioso por natureza.”

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina