Confira artigo do presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar.

Mario Cezar de Aguia, presidente da FIESC - Foto: Filipe Scotti

Um dos motivos pelos quais o capitalismo se consolidou como a melhor forma de organização econômica é a sua capacidade de se transformar para atender às necessidades da sociedade. Em sua versão atual, as empresas estão assumindo missões essenciais em nosso tempo, como proteger e regenerar o meio ambiente e promover a inclusão social de um modo ainda mais abrangente do que a geração de empregos. Ao mesmo tempo as empresas se voltam para a própria gestão, elevando os padrões de governança. As três dimensões formam o conceito ESG, uma nova forma de fazer negócios que já está influenciando a indústria de Santa Catarina.

Além de apresentar o conceito e explicar por que ele está se entranhando nas cadeias produtivas, a matéria de capa desta edição pontua que a transformação é uma jornada que requer tempo de adaptação. É nesse sentido que a FIESC incentiva e divulga a agenda ESG, ressaltando que tão importante quanto os pilares ambiental, social e de governança é a manutenção da capacidade das empresas de competir, gerar empregos e dar retorno aos acionistas. A boa notícia é que todas as dimensões estão cada vez mais relacionadas umas às outras, como mostra a matéria sobre os ganhos de mercado obtidos pela agroindústria graças à sustentabilidade.

Outras matérias remetem a transformações associadas ao ESG e como empresas catarinenses ganham ao acompanhar e se antecipar a elas. A reportagem sobre a geração de energia solar ressalta a velocidade do crescimento no País e o protagonismo de Santa Catarina. A matéria sobre a carne cultivada em laboratório destaca o investimento pesado em inovação para desenvolver produtos que agradem novos consumidores, destacando o fato de a JBS instalar seu centro de pesquisas sobre o tema em Florianópolis, em parceria com a FIESC.

A edição também retrata a indústria do vestuário do Estado, líder nacional em volume de produção. Tradicional, com empresas centenárias, esta indústria é tão competente que cresce acima da média do setor no País. Mas ao mesmo tempo precisa se renovar, e por isso a Escola de Negócios FIESC desenvolveu um programa voltado ao setor de moda no contexto do Programa de Reinvenção da Indústria. São vários os aspectos transformacionais da indústria catarinense abordados na edição que vão colaborar para torná-la cada vez mais competitiva.

Mario Cezar de Aguiar - Presidente da FIESC