Na pequena Princesa, cidade de 3 mil habitantes do Extremo Oeste catarinense, Cláudio Frank lidera a fábrica de móveis Sollos, reconhecida globalmente pelo estilo de suas criações. - Por Maurício Oliveira

Cláudio Frank, CEO da Sollos - Foto: Divulgação

Fundador e CEO de uma das mais sofisticadas fabricantes de móveis do Brasil, a Sollos, Cláudio Frank teve uma infância muito ligada ao agronegócio, setor em que a família atuava. Isso o levou a estudar na Escola Agrotécnica Federal de Concórdia, onde absorveu valores e conceitos fundamentais para a vida. “O principal foi desenvolver visão de longo prazo. Agir com responsabilidade e persistência, sabendo que o retorno não é imediato. Este entendimento foi determinante para que eu pudesse me tornar um empreendedor”, lembra.

É essa conexão que Cláudio consegue fazer entre o menino que acompanhava a lida na terra e o empreendedor de sucesso que hoje, aos 49 anos, comanda 600 funcionários numa indústria que produziu mais de meio milhão de peças na última década, período em que as vendas cresceram acima de 1.000%. Tudo isso a partir de uma pequena cidade do Extremo Oeste catarinense, Princesa, que ainda não chegou a 3 mil habitantes – foi emancipada em 1995 de São José do Cedro, cidade natal de Cláudio.

Naquele mesmo período em que Princesa virava município, Cláudio terminava os estudos com a missão de contribuir para que as atividades agrícolas da família ganhassem em qualidade e produtividade. Em paralelo, ele começou a se envolver na prospecção de novos negócios ao lado dos irmãos. Surgiu a ideia de uma fábrica de móveis – que foi bem-sucedida, mas não tinha o design como diferencial competitivo. Os produtos eram vendidos em magazines populares nos três estados do Sul.

O grande salto que fez surgir a Sollos, em 2004, foi trocar produtos que eram vistos como commodities por uma linha em que as pessoas e o mercado percebessem maior valor agregado. “Deixamos de vender móveis para vender estilo de vida”, costuma dizer Cláudio.

O insight veio depois de uma análise feita por uma consultoria e foi materializado por uma das incríveis coincidências da vida: o encontro, nessa mesma época, com o designer Jader Almeida, que se tornaria o grande parceiro criativo da marca. “Fomos apresentados por um conhecido em comum. Enquanto eu queria criar uma empresa, uma história, Jader estava em busca de concretizar sua criação com identidade”, lembra o CEO da Sollos.

Jader se tornou o diretor criativo, enquanto Cláudio cuida das questões fabris e comerciais. O reconhecimento da marca como sinônimo de elegância e atemporalidade foi construído gradualmente a partir de uma série de ações, como rever a planta produtiva, adquirir maquinários, implantar métodos e desenvolver novas estratégias de marketing e venda.

Detalhes da produção de móveis: uso de materiais nobres - Foto: Divulgação

Hoje, a essência dos produtos da Sollos é conciliar o melhor da indústria com o valor inestimável do talento humano. “Por mais que a gente esteja numa região essencialmente agrícola, as pessoas aqui buscam a excelência em tudo o que fazem. Nosso maior patrimônio certamente não é a estrutura física, e sim as pessoas”, reconhece Cláudio.

O desafio de formação profissional e qualificação conta com a participação constante do SESI e do SENAI. A empresa também apoia a Educação de Jovens e Adultos (EJA) para quem não teve a oportunidade de estudar em idade escolar e mantém projetos de incentivo educacional e social voltados aos colaboradores, familiares e também à comunidade de Princesa e das cidades do entorno.

As dificuldades causadas pela distância geográfica em relação aos grandes centros do País e aos portos foram superadas por um cuidadoso planejamento, incluindo a parceria com uma gestora logística dedicada exclusivamente à Sollos. Outro tema que exige constante atenção é a sustentabilidade. A empresa audita todo o processo de exploração da madeira utilizada, assegurando que seja 100% proveniente de manejo sustentável.

No portfólio da Sollos, composto por 780 produtos – não apenas mobiliário, mas também luminárias, objetos e complementos –, a matéria-prima tradicional é combinada com outros materiais nobres, a exemplo de mármores, aço, latão e cobre. Tudo com uma característica em comum: a elegância e a simplicidade do design. “Este é um dos nossos princípios: o simples é precioso”, observa Cláudio.

Detalhes da produção de móveis: uso de materiais nobres - Foto: Divulgação

Milão | Em 2014, a empresa – que até então tinha feito apenas algumas vendas pontuais para o exterior – tomou a decisão estratégica de participar com frequência de feiras e eventos internacionais. “Isso nos impulsionou a criar um departamento de exportação mais estruturado e permitiu visibilidade e negócios no mercado internacional”, descreve o CEO.

A ousada diretriz incluiu a instalação de um showroom dentro da semana de design mais importante do mundo – a de Milão, na Itália. Depois vieram participações em outros eventos de referência, como a Trends & Traditions, em Copenhague, na Dinamarca, a International Contemporary Furniture Fair (ICFF), em Nova York (EUA), e o London Design Festival, na Inglaterra. A repercussão destes eventos foi excelente. Hoje as vendas para o mercado externo envolvem 30 países e quase 20% do total de peças produzidas. O sucesso de crítica se materializou por mais de 75 prêmios nacionais e internacionais recebidos, dentre eles 11 prêmios no IF Design Award, considerado o Oscar do segmento – é a marca brasileira mais premiada neste evento.

No mercado interno, depois de uma fase em que a Sollos organizava eventos temporários para apresentar seus produtos a lojistas e à imprensa, consolidou-se o projeto de ter estruturas permanentes. Ainda neste ano, a empresa vai inaugurar um novo showroom em São Paulo, com mil metros quadrados – o segundo na cidade –, e outros em Campinas e Belo Horizonte, que se juntarão aos existentes em Florianópolis, Balneário Camboriú e Ribeirão Preto.

Detalhes da produção de móveis: uso de materiais nobres - Foto: Divulgação

Cabideiro | A cadeira Dinna, lançada em 2004, é o grande best seller da marca, com mais de 60 mil unidades produzidas. Há outros produtos multipremiados, como a poltrona Euvira e o cabideiro Loose. Mais recentemente as linhas de iluminação e de produtos para a área externa também alcançaram grande sucesso comercial.

O apelo por residências mais acolhedoras e bonitas, diretamente relacionado à pandemia e à disseminação do trabalho em casa, contribuiu para impulsionar as vendas – 21% em 2020, na comparação com o ano anterior. “Continuamos recebendo pedidos em grande número, e esse crescimento nos impulsionou à abertura de lojas próprias e franquias no modelo flag­ship store”, descreve o empreendedor.

Em 2021, foram 45 lançamentos até o final de setembro. Um dos destaques da temporada é a poltrona May, caracterizada pelas curvas generosas, concebidas em sintonia com os melhores princípios de ergonomia. “É uma cadeira confortável tanto para olhar quanto para sentar”, orgulha-se Cláudio.

Sollos

  • Fundação: 2004
  • Sede: Princesa (SC)
  • Funcionários: 600
  • Produtos no portfólio: 780
  • Plantas industriais: 2
  • Área fabril: 29 mil m²

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina