Os irmãos Juliano e Bruno Mendes, da família que fundou a Eisenbahn, não ficaram parados após a venda da cervejaria: investiram na produção de queijos e já têm reconhecimento internacional - por Leo Laps

Juliano e Bruno Mendes - Foto: Leo Laps

Em 2007, a Eisenbahn surpreendeu o mercado brasileiro de cervejas com a conquista inédita de duas medalhas de bronze no European Beer Star, um dos mais importantes concursos do gênero, realizado na Alemanha. A premiação, a primeira de muitas na história da cervejaria fundada em Blumenau em 2002 por Jarbas Mendes e seus filhos Juliano e Bruno, abriu caminho para consolidar a marca como uma das mais prestigiadas do País, além de provar que era possível desenvolver no Brasil produtos tão bons quanto os europeus e americanos. Agora no ramo dos laticínios, os Mendes voltaram a sentir o sabor do reconhecimento internacional no último mês de novembro, quando conquistaram uma medalha de ouro no World Cheese Awards em Oviedo, na Espanha, com uma versão com seis meses de maturação do queijo Vale do Testo.

O nome é uma homenagem ao rio que corta a cidade de Pomerode, onde desde 2013 Juliano e Bruno conduzem a Pomerode Alimentos. A fábrica foi comprada meses depois de os irmãos criarem um blog intitulado Diário do Queijo, onde relatariam em detalhes todo o processo de construir um novo negócio cinco anos depois de venderem a Eisenbahn para o Grupo Schincariol (hoje, após novas aquisições, a marca pertence à Heineken). A oportunidade de adquirir a Pomerode Alimentos acelerou bastante os planos dos Mendes, que até então pensavam em construir tudo do zero.

Com 25 funcionários, a Pomerode Alimentos fica ao lado de alguns dos principais pontos turísticos do pequeno município do Vale do Itajaí. Todos os dias recebe levas de visitantes em uma pequena loja de fábrica onde são vendidos os queijos da Vermont, marca desenvolvida pelos dois irmãos, e também bisnagas de Kraeuterkaese, um queijo fundido com parmesão e ervas cuja tradicional receita os Mendes herdaram com a compra da empresa. Duas semanas após a premiação do Vale do Testo, a loja se tornou o último lugar no País onde era possível comprar o queijo. “Não esperávamos tamanha repercussão e procura. Na época da Eisenbahn as redes sociais não tinham a força de hoje, e a própria mídia não repercutia tanto. Tivemos um alcance impressionante, dobrando o número de visitas ao nosso site”, revela Juliano.

A medalha, no entanto, não foi conquistada sem suor. Foram necessárias algumas manobras diplomáticas envolvendo o Ministério da Agricultura para desembaraçar os queijos na alfândega espanhola. É que a União Europeia não permite a entrada de laticínios brasileiros no continente. Os 40 produtos inscritos acabaram chegando atrasados para o concurso e foram julgados em caráter especial. Além do Vale do Testo, o mineiro Serra das Antas Tipo Rechoblon foi o único a também conquistar medalha de ouro; outros 14 foram premiados com prata e bronze.

A diplomacia foi conduzida pela Comerqueijo, uma associação nacional de comerciantes de queijos artesanais. Até então, para participar do World Cheese Awards era preciso recorrer a uma prática obscura: entrar com os queijos escondidos na mala. “É um trabalho interessante, eles querem as premiações para ajudar a vender os queijos. Como estávamos em dúvida se os queijos conseguiriam entrar e era nossa primeira vez, mandamos somente o Vale do Testo. Agora, pretendemos inscrever mais produtos, com certeza”, adianta Juliano. A Comerqueijo busca no momento um marco regulatório para tornar a participação brasileira menos burocrática e muito mais honrosa.

Pomerode Alimentos já tinha produtos famosos, como bisnagas de queijo fundido - Foto: Leo Laps

Experimentos | Com preços variando entre R$ 95 e R$ 130 o quilo, o Vale do Testo é vendido em versões com um, três e seis meses de maturação. Trata-se de um queijo semiduro, amarelo, com equilíbrio para o salgado e aromas que lembram caldo de carnes, amêndoas e defumados. “Assim como na Eisenbahn, a gente faz o que gosta, nem sempre o que o mercado pede. Às vezes dá certo e às vezes não. Queríamos um queijo menos adocicado, algo que já é comum no mercado nacional, e fizemos vários experimentos até chegar ao resultado que desejávamos”, conta Bruno.

Com personalidades que parecem se complementar para tocar os negócios da família, os dois irmãos gostam de atuar diretamente no desenvolvimento de cada produto que inventam. Bruno é o líder do financeiro e do administrativo. Juliano lida mais diretamente com o marketing e, por isso, acaba aparecendo um pouco mais na mídia. É, inclusive, o garoto-propaganda da Eisenbahn num premiado comercial que roda atualmente na tevê. “É uma química que deu certo para a gente, cada um aplica sua parte para fazer as coisas acontecerem, sem forçar nada”, avalia Juliano.

Os dois aprenderam a fazer queijos por meio de cursos e consultorias com especialistas, colocando literalmente a mão na massa. Em busca de inspiração e aprendizados, viajaram para a Suíça e para os Estados Unidos, onde no estado de Vermont encontraram o nome perfeito para os queijos que passariam a fabricar em Pomerode. Os primeiros deles, do tipo brie, camembert e tomme vaudoise, foram apresentados ao mercado apenas em 2017, quatro anos depois de os irmãos comprarem a Pomerode Alimentos. Depois de adquirirem confiança, os Mendes passaram a trabalhar para criar queijos mais ousados, com identidade própria, sem similares na Europa. Nessa pegada surgiram não apenas o Vale do Testo, mas queijos como o Morro Azul e o Pomerode. A produção atual é de 15 toneladas por mês, sendo dois terços disso na linha de queijos Vermont e um terço com as bisnagas de queijo fundido.

O Campeão

  • O Vale do Testo é um queijo semiduro, amarelo, com equilíbrio para o salgado
  • Aromas lembram caldo de carnes, amêndoas e defumados
  • Os queijos são lavados com solução de água, sal e micro-organismos que realçam o sabor
  • É vendido em versões com um, três e seis meses de maturação

Regional | Diferentemente de quan­do fundaram a Eisenbahn e se tornaram um dos pioneiros do País no ramo das cervejas especiais, os Mendes entraram no setor de laticínios com um mercado consolidado, mas que segue crescendo. “São segmentos parecidos, mas enquanto na época da Eisenbahn não encontrávamos insumos e equipamentos, com o queijo isso já estava bem mais avançado. A principal diferença é que não há a concentração de mercado que existe com a cerveja. Não tem nenhuma empresa dominando o mercado nacional, e mesmo grandes grupos acabam ficando mais regionalizados”, avalia Bruno. Os queijos e bisnagas da Pomerode Alimentos são comercializados no País inteiro pelo site oficial, mas a empresa trabalha ativamente em todos os estados do Sul e Sudeste.

Além de trazer bons negócios, a repercussão da premiação no World Cheese Awards deixa claro que o sucesso da Eisenbahn não foi um golpe de sorte. “Quando entramos neste novo negócio, tínhamos a confiança e a experiência da Eisenbahn, mas havia quem duvidasse. E, desde o começo, novamente o que a gente queria era fazer o melhor produto possível”, lembra Bruno. Com um “Oscar do Queijo” já garantido no currículo, os dois irmãos podem considerar boa parte dessa missão cumprida.

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina