Projeção aponta que, desse total, cerca de 650 mil já têm uma formação ou estão inseridos no mercado de trabalho, mas devem se atualizar; outros 150 mil precisarão de formação inicial 



Florianópolis, 30.05.2022 – Até 2025, o estado de Santa Catarina precisará qualificar 802,9 mil pessoas em ocupações industriais, sendo 152,9 mil em formação inicial – para repor inativos e preencher novas vagas – e 649,9 mil em formação continuada, para trabalhadores que devem se atualizar. Os dados e a avaliação são do Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo realizado pelo Observatório Nacional da Indústria para identificar demandas futuras por mão de obra e orientar a formação profissional de base industrial no país.

Isso significa que, da necessidade de formação nos próximos quatro anos, 80% serão em aperfeiçoamento. “O mercado de trabalho passa por uma transformação provocada pelo uso de novas tecnologias e por mudanças na cadeia produtiva. Por isso, é necessário investir em qualificação e aperfeiçoamento para que os profissionais estejam atualizados”, frisa o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar.

As ocupações industriais são aquelas que requerem conhecimentos tipicamente relacionados à produção industrial, mas estão presentes também em outros setores da economia. De acordo com o diretor de educação e tecnologia da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, há oportunidades em diversos segmentos, mas especialmente naqueles voltados à ciência, tecnologia e engenharia. “O SENAI tem desenvolvido uma série de formações que permitem ao trabalhador seguir se preparando para uma indústria cada vez mais tecnológica e competitiva. Nossas escolas e a rede de ensino superior oferecem qualificação alinhada à nova economia, seguindo inclusive tendências internacionais”, destaca.

A demanda por formação no estado por nível de qualificação será de:

Nível de qualificação

Demanda

Qualificação (menos de 200 horas)

437.013

Qualificação (mais de 200 horas)

198.072

Técnico

118.082

Superior

49.752

TOTAL

802.919

Em volume, ainda prevalecem as ocupações de nível de qualificação, que respondem por 74% do emprego industrial no Brasil hoje. Contudo, chama atenção o crescimento das ocupações de nível técnico e superior, que deve seguir como uma tendência. Isso ocorre por conta das mudanças organizacionais e tecnológicas, que fazem com que as empresas busquem profissionais de maior nível de formação, que saibam executar tarefas e resolver problemas mais complexos. 

As áreas com maior demanda por formação são: transversais, têxtil e vestuário, metalmecânica, logística e transporte, e alimentos e bebidas. As ocupações transversais são aquelas que permitem ao profissional atuar em diferentes áreas, como técnico em segurança do trabalho, técnico de apoio em pesquisa e desenvolvimento e profissionais da metrologia, por exemplo.

Estudo avalia estimativas e cenário político, econômico, tecnológico e de emprego

O SENAI é a principal instituição formadora em ocupações industriais no país. Para subsidiar a oferta de cursos, em sintonia com as demandas por mão de obra do setor produtivo, o Observatório Nacional da Indústria desenvolveu a metodologia do Mapa do Trabalho Industrial, referência no Brasil. O estudo é uma projeção do emprego setorial que considera o contexto econômico, político e tecnológico. Um dos diferenciais é a projeção da demanda por formação a partir do emprego estimado para os próximos anos.

Para esse cálculo, são levadas em conta as estimativas das taxas de difusão das novas tecnologias nas empresas e das mudanças organizacionais nas cadeias produtivas, que orientam o cálculo da demanda por aperfeiçoamento, e uma análise da trajetória ocupacional dos trabalhadores no mercado de trabalho formal, que subsidiam o cálculo da formação inicial. Um trabalho de inteligência de dados e prospectiva que deve subsidiar ações e políticas de emprego e educação profissional.

O estudo agrupa as ocupações industriais em 25 áreas. Abaixo, as que mais precisarão formar até 2025:

Áreas com maior demanda por formação (inicial + continuada)

Área

Demanda

Transversais

173.856

Têxtil e Vestuário

121.509

Metalmecânica

108.776

Logística e Transporte

89.604

Alimentos e Bebidas

69.262

Construção

63.264

Madeira e Móveis

28.291

Tecnologia da Informação

28.077

Eletroeletrônica

20.970

Gestão 

19.568

Abaixo, as ocupações com maior demanda por formação, agrupadas por nível de qualificação: superior, técnico, qualificação mais de 200 horas e qualificação menos de 200 horas:

SUPERIOR

Voltados para quem tem o ensino médio completo ou equivalente, visam a formação de um bacharel ou licenciado. São de longa duração, com carga horária mínima de 2.400 horas, sendo que algumas chegam a 7.200 horas.

Ocupação

Demanda em
formação inicial

Demanda em aperfeiçoamento

Analistas de tecnologia da informação

1.542

11.115

Gerentes de produção e operações em empresa da indústria extrativa, de transformação e de serviços de utilidade pública

634

4.028

Gerentes de comercialização, marketing e comunicação

573

3.798

Artistas visuais, desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

1.012

2.652

Gerentes administrativos, financeiros, de riscos e afins

588

2.984

 

TÉCNICO

 

Cursos técnicos têm carga horária entre 800h e 1.200h (cerca de 1 ano e 6 meses) e são destinados a alunos matriculados ou egressos do ensino médio. 

Ocupação

Demanda em
formação inicial

Demanda em aperfeiçoamento

Técnicos de controle da produção

2.266

14.112

Técnicos de planejamento e controle de produção

1.319

7.126

Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações

1.341

6.098

Especialistas em promoção de produtos e vendas

904

5.218

Técnicos em operação e monitoração de computadores

992

4.226

 

QUALIFICAÇÃO + DE 200 HORAS

 

Os cursos de qualificação são indicados a jovens e profissionais que buscam desenvolver novas competências e capacidades profissionais para a inserção em uma ocupação. Esses cursos não demandam um nível de escolaridade específico. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. 

Ocupação

Demanda em
formação inicial

Demanda em aperfeiçoamento

Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário

8.853

36.910

Mecânicos de manutenção de máquinas industriais

2.729

10.389

Montadores de equipamentos eletroeletrônicos

1.155

9.380

Inspetores e revisores de produção têxtil

1.992

8.436

Preparadores e operadores de máquinas-ferramenta convencionais

946

8.657

 

QUALIFICAÇÃO - DE 200 HORAS

 

Os cursos de qualificação são indicados a jovens e profissionais que buscam desenvolver novas competências e capacidades profissionais para a inserção em uma ocupação. Esses cursos não demandam um nível de escolaridade específico. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. 

Ocupação

Demanda em
formação inicial

Demanda em aperfeiçoamento

Alimentadores de linhas de produção

24.654

97.481

Magarefes e afins

8.797

36.411

Motoristas de veículos de cargas em geral

5.893

36.892

Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem

7.914

11.417

Trabalhadores da preparação da confecção de roupas

4.731

13.433

 

Com informações da Agência CNI.


Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC
 

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina