BID aportará 150 mil dólares em iniciativa do Movimento SC pela Educação

Valor será investido na capacitação de professores da rede pública estadual e do SENAISC que atuarão no Ensino Médio integral que será adotado no Estado a partir deste ano
Imprimir
  • Reunião foi realizada nesta quinta (2), na FIESC. Foto: Filipe Scotti

Florianópolis, 02.02.2017 – O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) fará um aporte de 150 mil dólares para a capacitação de docentes da rede estadual de ensino catarinense e do SENAI/SC que atuarão em um novo modelo de ensino médio de formação integral. O apoio do BID é decorrência de uma cooperação técnica já firmada pela organização com o Movimento SC pela Educação, liderado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). Focado na excelência do ensino, no desenvolvimento de valores e competências e na capacitação para empregos mais exigentes, o modelo é resultado de discussões promovidas pelo Movimento e conta com apoio do Instituto Natura, Instituto Ayrton Senna e Itaú BBA.

O apoio do BID foi anunciado pelo especialista em educação da entidade João Marcelo Borges, em reunião nesta quinta (2), que envolveu representantes das instituições que participam do projeto. O valor a ser repassado pelo Banco corresponde a aproximadamente dois terços do total do projeto de capacitação dos docentes das 14 escolas da rede pública, quatro Centros de Educação Profissional (Cedup, também integrantes da rede estadual) e duas unidades do SENAI/SC, que passarão a contar com o novo ensino médio em 2017.

Idealizador do Movimento, o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, reforçou a importância de uma educação mais ampla e alinhada às demandas do mundo do trabalho. “A educação está em primeiro lugar entre as prioridades da indústria, pois na sequência tudo fica mais fácil: um trabalhador escolarizado cuida melhor de sua saúde, trabalha com mais segurança, melhora a produtividade e está mais preparado para a inovação e aproveitamento das oportunidades que as novas tecnologias estão trazendo para as indústrias catarinenses e brasileiras”, disse.

A proposta do ensino médio integral em análise na rede estadual e no SENAI prevê diversas transformações do processo ensino-aprendizagem. As disciplinas tradicionais são organizadas em quatro áreas de conhecimento; o currículo inclui um núcleo com novas disciplinas em que os alunos trabalham em projetos voltados a planejar o futuro, melhorar a realidade em que vivem, pesquisar e estudar. Os educadores – gestores e professores – são preparados no aprimoramento de suas práticas pedagógicas e de gestão para que somem esforços no aprendizado dos alunos. Assim, os jovens são reconhecidos como agentes de transformação que podem assumir um papel de corresponsabilidade pelo próprio desenvolvimento, de seus colegas e suas realidades e desenvolvimento de competências do século 21.

“O grau de escolaridade do trabalhador catarinense está aquém do que a Indústria 4.0 exige”, disse o secretário de Estado de Educação, Eduardo Deschamps. “Santa Catarina é um Estado diferenciado na média brasileira, mas não vivemos no melhor dos mundos e temos muito que avançar também. Quando olhamos para as perspectivas de competitividade que o Estado vai ter no século 21, percebemos que muita coisa tem que ser corrigida”, afirmou.

 

Assessoria de Imprensa

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

48 3231 4673 - 48 9 8421 3600 - ivonei@fiesc.com.br