Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM) também vai propor postergação do prazo para recolhimento de ICMS nos locais atingidos pelas cheias deste ano


Confira a cobertura fotográfica completa no Flickr da FIESC.

Florianópolis,  12.6.2017 – O  Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina, integrado pelas entidades que representam todos os setores da economia estadual, reuniu-se nesta segunda-feira (12) em Florianópolis e decidiu apoiar dois projetos que tramitam na Assembleia Legislativa: o que propõe a criação da comissão permanente de comércio e indústria na Assembleia Legislativa (ALESC) e o que procura inibir o roubo de cargas. O setor empresarial também decidiu propor, em conjunto, que o governo do Estado postergue o prazo para recolhimento do ICMS de empresas instaladas em locais atingidos pelas cheias. Outro assunto avaliado na reunião foi a necessidade de avançar nas reformas estruturais, apesar do cenário político atual.

O encontro contou com a participação do deputado Nilso Berlanda, que propôs a criação da comissão permanente de comércio e indústria na ALESC. A Assembleia tem 16 comissões específicas, mas não uma para tratar destes dois setores, que geram 2,2 milhões de empregos, lembrou Berlanda, informando que os sete parlamentares participantes terão a função de promover a constante interlocução entre estes setores e o Parlamento. A moção de apoio ao projeto foi aprovada pelos presidentes do COFEM.

As entidades empresariais também farão manifestação formal à ALESC defendendo a aprovação do projeto que propõe o cancelamento da inscrição estadual das empresas receptadoras de cargas roubadas, como alternativa para desestimular a prática. Conforme informações da Federação dos Transportes de Santa Catarina (Fetrancesc), o Estado registra mais de um roubo de carga a cada dois dias, com destaque para produtos como carnes, bebidas, cerveja, cobre e itens da linha branca. O projeto é de autoria do deputado Patrício Destro e tem como relator o deputado Darci de Matos.

A situação das localidade afetadas pelas cheias deste ano em Santa Catarina também foi avaliada. O COFEM vai enviar manifestação ao governo do Estado defendendo que as empresas instaladas nestas regiões tenham postergado o prazo para recolhimento do ICMS, de modo que, no curto prazo, possam concentrar esforços no enfrentamento da situação.

As entidades empresariais ainda destacaram a necessidade de avançar nas reformas estruturais em debate no Congresso Nacional, apesar do cenário político atual. Ficou decidido que as entidades manifestarão apoio aos parlamentares favoráveis às reformas e que o tema será discutido em reunião com a bancada catarinense em data a ser marcada ainda.

O COFEM é integrado pelas federações empresariais da indústria (FIESC), comércio (FECOMÉRCIO), Agricultura (FAESC), Transportes (Fetrancesc), das Associações Empresariais (FACISC), das CDLs (FCDL) e das micro e pequenas empresas (Fampesc).


Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco