O programa DEVinHouse apoia a formação destes profissionais com a oferta de 45 vagas; inscrições vão até o dia 28 de maio pelo site devinhouse.sesisenai.org.br/acate

Estão abertas as inscrições para a nova turma do DEVinHouse, iniciativa do SENAI/SC e da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) para impulsionar a formação de desenvolvedores. A segunda edição do projeto oferece 45 vagas, 15 delas com bolsas de estudos integral, sendo 5 para mulheres, como estímulo a maior participação feminina no setor. Esta edição tem a parceria da fintech Conta Zap, que poderá contratar até 15 alunos do programa. Os interessados em participar do programa podem se cadastrar até o dia 28 de maio no site devinhouse.sesisenai.org.br/acate.

A falta de profissionais para o setor de tecnologia, principalmente de desenvolvedores, foi agravada com a pandemia devido às transformações digitais impostas. A consolidação do home office também acirrou a disputa pelos especialistas, que agora conseguem trabalhar para empresas de todo o mundo. Apoiar a formação destes profissionais é o objetivo do DEVinHouse, projeto que teve início em novembro de 2020 e atraiu mais de 800 inscritos na primeira edição. 

Para o diretor de educação e tecnologia da FIESC e diretor regional do SENAI/SC, Fabrizio Machado Pereira, uma formação de qualidade é de extrema importância para ingressar na carreira. “O SENAI é um dos maiores formadores de desenvolvedores no campo da TI no Brasil e a maior escola profissionalizante da América Latina. Começar a carreira no mundo do desenvolvimento de software, um mercado que não para de crescer, é promissor. Além das bolsas de estudo, o projeto oferece a possibilidade de iniciar na empresa assim que se formar”, explica. 

O vice-presidente de Talentos da ACATE, Moacir Marafon, destaca que ver pessoas iniciando o curso quase sem conhecimento em tecnologia e, em pouco tempo, já estarem desenvolvendo algo prova que o modelo funciona. “Isso graças ao método que aproxima a empresa e o aluno, contribuindo na formação técnica e sua aplicabilidade em problemas reais, o que o aluno só encontraria quando do ingresso no mercado de trabalho”, disse. 

A fintech Conta Zap, de Balneário Camboriú, resolveu apoiar a iniciativa porque, desde sua fundação em 2019, se depara com a carência de profissionais qualificados no mercado. A empresa, inclusive, criou seu próprio treinamento para desenvolvedores no começo deste ano, pelo qual os participantes foram contratados posteriormente. “Apostar na formação destes profissionais é produtivo não apenas para a empresa, mas para o próprio ecossistema brasileiro. As habilidades de desenvolvimento são muito valorizadas pelo mercado hoje e essenciais para o nosso país dar um salto tecnológico, a exemplo do que já ocorreu em outras partes do planeta”, diz o CMO da Conta Zap, Raphael Andrade. 

Para ter um diagnóstico mais preciso da real necessidade das empresas de tecnologia catarinense, a ACATE está realizando até o dia 16 de maio uma pesquisa de mapeamento de vagas. O resultado irá balizar a elaboração e execução de programas de formação de talentos, buscando sanar um dos principais problemas do setor de tecnologia.

A partir das informações coletadas, a ACATE irá articular parcerias com instituições de ensino para a promoção de cursos que atendam as necessidades do setor de tecnologia de cada região do estado. “No contexto atual, sabemos que a demanda é maior do que a oferta. Essa tendência vai aumentar cada vez mais e vai impactar o crescimento do setor de tecnologia e as empresas. Portanto, é um desafio que precisamos enfrentar de forma coletiva”, finaliza Marafon. 

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina