Números correspondem à atuação dos Institutos SENAI de Inovação em Processamento a Laser e em Sistemas de Manufatura, localizados em Joinville, e ao Instituto SENAI em Sistemas Embarcados e ao Centro de Inovação SESI em Tecnologias para a Saúde, instalados em Florianópolis

Florianópolis, 16.7.2019 – Os quatro institutos de inovação do SENAI e do SESI em Santa Catarina estão desenvolvendo 32 projetos de inovação para a indústria, que mobilizam R$ 81,2 milhões. O montante representa aportes oriundos de programas de fomento à inovação - como o edital de Inovação da Indústria, mantido pela Confederação Nacional da Indústria, e recursos da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) – mais a contrapartida das próprias indústrias. A informação foi dada pelo diretor regional do SENAI/SC, Fabrizio Machado Pereira, durante a imersão em Ecossistema de Inovação, promovida pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), nesta terça-feira (16), no Instituto da Indústria, em Florianópolis. O evento envolveu oficiais do Exército Brasileiro, que conheceram o ecossistema de inovação da capital catarinense, incluindo o Sapiens Parque, no Norte da Ilha.

 

Pereira explicou aos oficiais militares que R$ 43 milhões foram mobilizados nos 115 projetos já concluídos desde 2013, totalizando, portanto, desde R$ 123 milhões em 147 iniciativas inovadoras. Além disso, existem 68 projetos em prospecção, que podem chegar a mais R$ 243 milhões. Os números correspondem à atuação dos Institutos SENAI de Inovação em Processamento a Laser e em Sistemas de Manufatura, localizados em Joinville, e ao Instituto SENAI em Sistemas Embarcados e ao Centro de Inovação SESI em Tecnologias para a Saúde, instalados em Florianópolis.

 

Base científica e acadêmica

 

“São mais de 115 pesquisadores com doutorado e mestrado; é uma equipe altamente qualificada, que atua não apenas como aplicadores, mas também como desenvolvedores de tecnologia, com uma excelente base científica e acadêmica”, disse o diretor. Ele salientou a relevância da contribuição catarinense para a inovação na indústria. Santa Catarina responde por 22,6% dos 650 projetos concluídos ou em andamento, 17,5% dos recursos mobilizados e reúne 18,2% dos 630 pesquisadores existentes em âmbito nacional.

 

O diretor de Inovação e Competitividade da FIESC, José Eduardo Fiates, apresentou o ecossistema de inovação de Florianópolis. “Temos muitas organizações de pesquisa e tecnologia e muita gente transformando produtos em empreendimentos no mercado. O Sapiens Parque tem 2,5 mil trabalhadores no desenvolvimento de inovação”. Ele revelou ainda que o parque tem uma área de 4,5 milhões de metros quadrados, nos quais existem 30 prédios.

 

Para o general de brigada Ricardo Miranda Aversa, comandante da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, localizada em Florianópolis, a tecnologia militar agrega valor à indústria e pode ajudar no processo de internacionalização das empresas. “Material de emprego militar tem alto valor agregado. Vale a pena investir”, disse. Para ilustrar ele comparou preços por quilo em dólares de alguns produtos, como a soja (US$ 0,10), automóvel (US$ 10), carro de combate (US$ 136), avião comercial (US$ 1.000), avião de combate (de US$ 2 mil a  US$ 8 mil), celular ou mísseis (US$ 8 mil), satélite (US$ 50 mil). “Os produtos de aplicação militar exigem mais confiabilidade, mais robustez e uma série de requisitos que agregam valor”, disse. 

 

Aproximação indústria e setor de defesa

 

O coordenador do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa) da FIESC, Cesar Olsen, destacou a importância da inovação na indústria para atender as necessidades do setor militar. “Não existe defesa sem a participação da indústria local. O Brasil tem uma diversidade enorme de tecnologias e empresas voltadas para o meio civil e para o meio militar. E Santa Catarina tem grandes possibilidades”, disse. Ele citou como exemplos algumas tecnologias já existentes na indústria catarinense, como fábricas de tintas para aeronaves, que já é exportada para os Estados Unidos, e para hélices da captação de energia eólica; cerâmica balística e o fio têxtil não perceptível pelo infravermelho. Ele citou também a ação do Comdefesa, que, em três anos, recebeu 59 comitivas militares que visitaram a FIESC, descobrindo a potencialidade da indústria local.

 

O general da reserva do Exército Adhemar da Costa Machado Filho, coordenador do Escritório de Ligação Sul do Sistema Defesa-Indústria-Academia (SisDIA), salientou que a aproximação da indústria e o setor de defesa é “lenta, difícil e complexa, mas é uma semente que está sendo plantada e já apresenta algumas vitórias”.

 

Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação

 

Esta é a 17ª edição do Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação e a primeira dedicada a oficiais militares. Concebida no escopo da agenda de Inserção Global via Inovação e promovida pela MEI e pela CNI, a iniciativa teve início em 2016, com o objetivo de criar oportunidades de atualização em relação aos temas de maior relevância para a competitividade de seus negócios, bem como estimular cooperação em pesquisa, desenvolvimento e inovação, seja no Brasil ou no exterior. A cada edição, os convidados percorrem os diversos ecossistemas de inovação existentes no país.

 

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina
Assessoria de Imprensa

 

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco