Executivo lamentou o aumento da tarifa por causa da bandeira vermelha, que é maior do que o reajuste anual da concessionária e explanou sobre investimentos que a empresa vem fazendo no estado

Florianópolis, 17.9.2021 - O presidente da Celesc, Cleicio Poletto Martins, relatou à diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), reunida nesta sexta (17), os investimentos que a estatal vem fazendo e a composição de suas tarifas. Segundo ele, nos últimos 2,5 anos, período em que está à frente da empresa, a Celesc investiu R$ 1,7 bilhão, dos quais, R$ 1,2 bi na área de transmissão. Ele também lamentou a necessidade de aplicação da bandeira vermelha no Brasil, o que elevou a tarifa em média em 7%. “O reajuste anual da tarifa da Celesc foi de 5,65% e uma única bandeira empurrou mais 7%. Claro, se chover, isso sai”, alertou.

::: Veja aqui a cobertura fotográfica da Reunião de Diretoria da FIESC

“Fornecimento e custo de energia elétrica são temas sempre muito relevantes para a indústria”, comentou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, ao ressaltar a interação que vem ocorrendo entre a Federação das Indústrias e a concessionária na busca de soluções para os problemas de abastecimento.

Martins informou que os R$ 71 por megawatt-hora (MWh) cobrados pela Celesc representam o menor custo operacional entre todas as concessionárias do país. No entanto, este valor representa 14,5% do total da tarifa. “Dos R$ 13,5 bilhões que a Celesc arrecada, apenas R$ 2 bilhões ficam com a empresa, para fazer a sua gestão. O restante todo é repassado”, afirmou o presidente da concessionária. O valor pago pelos consumidores referentes à bandeira vermelha também é repassado pela Celesc para a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. 

O presidente da Celesc anunciou que a empresa pretende criar uma comercializadora de energia para atuar no mercado livre do insumo. Ele também informou que a demanda de energia em Santa Catarina já voltou aos níveis pré-pandemia, com crescimento de 8,8% no consumo no primeiro semestre em relação aos primeiros seis meses de 2020. No último trimestre, esse crescimento foi de cerca de 18%, também na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Segundo informou Cleicio Poletto Martins, os investimentos realizados pela Celesc desde o início de 2019 compreendem sete subestações, além de outras quatro em construção, que totalizarão a adição de 985 megavoltampère (MVA, unidade de medida de potência em sistemas elétricos de corrente alternada) de energia fornecida no estado, volume próximo do consumo da indústria catarinense, que é da ordem de 1 mil a 1,1 mil MVA. O presidente da Celesc informou que mais cinco ou seis subestações devem ser licitadas nos próximos meses.

Ainda conforme ressaltou o seu presidente, a estatal atende cerca de 90% do território catarinense, com quase 160 mil quilômetros de rede de média tensão, 6 mil quilômetros de linhas de transmissão, 170 subestações e 22 grandes transformadores. O mercado residencial responde por 24% do consumo e o industrial por mais de 40%, aproximando-se dos 50% se considerado o mercado livre. 

Reunião da FIESC

Também na reunião de diretoria da FIESC, a presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC), desembargadora Lourdes Leiria, relatou medidas que vem tomando para a redução das despesas e de processos acumulados. Além disso, o economista Pablo Bittencourt apresentou uma análise do Panorama Econômico. A gerente de Saúde e Segurança no Trabalho do SESI em Santa Catarina, Sendi Lopes, explanou sobre o serviço de Telemedicina lançado pela entidade para atender o setor industrial de Santa Catarina.

Outro ponto da pauta foi o cinquentenário da Associação Brasileira da Indústria Gráfica - Regional de Santa Catarina (Abigraf-SC). O presidente da entidade, Evandro Volpato, fez a entrega do livro comemorativo e destacou que os nove sindicatos que integram a Abigraf são filiados à FIESC, enaltecendo a parceria entre a associação do setor gráfico e a Federação das Indústrias. 

O empresário Wolmir de Souza apresentou a trajetória da Saborense, cooperativa de produção e consumo criada na região Oeste de Santa Catarina para estimular as pequenas indústrias de derivados de carne.

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC
Gerência Executiva de Comunicação Institucional e Relações Públicas - GECOR

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina