Dispositivo substitui equipamentos importados com grandes vantagens em custos, manutenção e usabilidade

Buscando sempre a eficiência, a modernidade e a inovação em suas operações e serviços, o Porto Itapoá utilizou estes conceitos na criação de um dispositivo de IOT (Internet das Coisas) com tecnologia própria, 100% desenvolvida pelo time interno e patenteada. Chamados de coletores, esses dispositivos fazem a integração dos Terminal Tractors (TTs) – veículos que movimentam os contêineres entre o pátio e o cais –, com o sistema operacional Navis Sparcs N4, software de última geração que gerencia a programação de carga e descarga dos navios no Porto Itapoá.

De acordo com o gerente de TI do Porto Itapoá, Sandro Luiz Martins, a ideia de desenvolver essa solução internamente surgiu em torno do custo elevado e das dificuldades de manutenção dos equipamentos importados. Os novos coletores substituem com grandes vantagens os dispositivos importados e que apresentavam problemas de durabilidade, demora para manutenção e reposição de componentes. Outro ganho importante é a considerável diminuição no custo. Comparado com equipamentos importados, a solução desenvolvida pelo Terminal tem um custo de fabricação até 50 vezes menor.

 Outra característica importante desta solução é a usabilidade. O login é feito pelo crachá do colaborador, seu uso é intuitivo com funções e instruções simplificadas e por cores, de fácil visualização para o operador. “Além de caros, por serem importados, qualquer manutenção ou troca de componentes nos dispositivos anteriores poderiam demorar mais de um mês”, afirma Sandro Martins. O novo coletor também é resistente e robusto para aguentar as trepidações na movimentação dos TTs. E é plug’n play, ou seja, a instalação e a troca levam menos de 1 minuto e a manutenção leva uma média de 10 minutos.

Foram dois anos de trabalho de pesquisa e desenvolvimento no projeto com o envolvimento de 28 profissionais de diversas áreas do Terminal. A implantação efetiva e fase de testes iniciaram em agosto de 2020 e a operação nos 40 TTs ocorreu efetivamente a partir de janeiro de 2021. O empacotamento da solução de IOT inclui o próprio dispositivo físico e também o desenvolvimento do aplicativo que faz a integração dos coletores ao sistema Navis Sparcs N4, realizando a captura das informações e repassando para o software. Essa integração é fundamental para o planejamento sincronizado de pátio e cais, sendo controlado em tempo real pelos operadores. Todas as atividades das cargas e dos equipamentos, alinhados com o planejamento do navio, são registradas nos coletores dos TTs, com a alocação dinâmica dos veículos para otimizar o fluxo e evitar congestionamentos de tráfego.

Para o Diretor de Operações, Meio Ambiente e Tecnologia do Porto Itapoá, Sergni Pessoa Rosa Junior, a inovação é um conceito que tem sido aprofundado dentro do Terminal nos últimos anos: “O resultado deste projeto é uma prova disso. Conseguimos capitalizar todo o potencial técnico de nossos times agregando os valores do Porto Itapoá de forma prática, criando um produto inovador e contribuindo de forma muito positiva para nossa operação”.

O Porto Itapoá

Sendo considerado um dos terminais mais ágeis e eficientes da América Latina, o Porto Itapoá é também um dos maiores e mais importantes do País na movimentação de cargas conteinerizadas, segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ). 

Situado no litoral norte de Santa Catarina, o Porto Itapoá está posicionado entre as regiões mais produtivas do Brasil, contemplando importadores e exportadores de diversos segmentos empresariais. Sua localização privilegiada, na Baía da Babitonga, proporciona condições seguras e facilitadas para receber embarcações de grande porte, uma tendência cada vez mais adotada na navegação mundial.

 

Texto e fotos: Logos Conexão e Conteúdo

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina