Orientados por docentes, estudantes do curso técnico de automação industrial desenvolvem equipamento que atesta qualidade de válvula utilizada em embalagens plásticas de injeção e sopro produzidas pela CCS, de Içara


Criciúma, 22.02.2021 - Inovar é gerar valor e atender as necessidades reais. E foi pensando nestes dois aspectos que o SENAI e a empresa CCS conseguiram gerar um processo totalmente inovador, atendendo a necessidade industrial e ao mesmo tempo desafiando alunos a buscarem nos seus conhecimentos uma solução inédita para um problema real. O resultado vai permitir à empresa elevar a qualidade do produto, ganhar produtividade e, consequentemente, ampliar o mercado.

A partir da ideia de fabricar um produto de maior valor agregado, utilizando a expertise da empresa, que atua no segmento de transformação de plástico, a CCS desenvolveu uma válvula desgaseificadora. O empresário Reginaldo Cechinel, diretor da CCS, conta que essa pequena válvula é inserida em embalagens de alimentos para remover gases internos da embalagem e, ao mesmo tempo, vedar a entrada de ar. O produto é encontrado em embalagens de cafés premium e também de ração animal. Nos sacos de café é uma forma de mostrar o aroma, sem perder a qualidade.

Após desenvolver o protótipo da válvula e iniciar efetivamente a produção, a CCS buscou o apoio do SENAI para desenvolver um equipamento para testar e aferir o produto, garantindo que as características técnicas estavam de acordo. A parceria se deu com o curso técnico em automação industrial, do SENAI em Tubarão. Em outubro de 2020 o projeto começou a ser desenvolvido, sob a coordenação do professor Gustavo Goulart, com os alunos Murilo Tatari Nogaredo e Luiz Felipe Costa Vicente. Conforme o professor, era preciso criar um equipamento que atestasse a válvula, substituindo o trabalho manual. “No projeto, os alunos trabalharam disciplinas de instrumentação e controle, processamentos de sinais, CLP e puderam aplicar os conhecimentos agregados nessas disciplinas”, explica Gustavo. O resultado foi um protótipo levado à empresa para testagem da qualidade das válvulas.

Em paralelo ao protótipo, foi desenvolvido um sistema de dados que faz a análise e apresenta as medições, mostrando se as válvulas estão ou não de acordo com as especificações de entrada e saída de ar. “Foi feita a programação do software para supervisão e controle do sistema. O processo consiste na medição de pressão, que deve ser ajustada. O equipamento conta com um medidor, uma válvula, por meio de um controlador que representa o comportamento para realizar o teste de qualidade”, explica Murilo Nogaredo.

Concluída e aprovada a fase de testes do protótipo, agora a empresa vai desenvolver o próprio equipamento e os dois alunos, já contratados pela CCS, seguem trabalhando na montagem e operação. Também partem para uma nova etapa de aprendizado, ambos na faculdade de engenharia.

Para a gerente-executiva do SESI e do SENAI na região Sul, Graziela da Silva Branco, o projeto é resultado de uma grande parceria entre a indústria e o SENAI. “É fundamental que mais empresas tragam seus desafios reais para que essas necessidades sejam trabalhadas em sala de aula pelos alunos, buscando apresentar soluções inovadoras como essa”, destaca Graziela.

Em visita à empresa, o vice-presidente regional da FIESC, Diomício Vidal, destacou que o projeto é exemplo do que o SENAI pode fazer pela indústria. “A entidade tem colaborado de forma significativa para que nossas empresas tenham cada dia mais melhorias, seja na produtividade, seja no âmbito da inovação. É um grande trabalho e outros semelhantes virão”, salientou Vidal.
 

Com informações da Agência Novo Texto.
 

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina