O programa, capitaneado pela ACIJ, tem a participação da FIESC e da prefeitura de Joinville

Joinville, 24.8.2021 - A Federação das Indústrias (FIESC), a Prefeitura de Joinville e a Associação Empresarial (ACIJ) lançaram o Joinville Emprega+, um programa de qualificação para moradores da cidade que estejam desempregados, desalentados ou informais e que buscam qualificação profissional. A apresentação da plataforma, inspirada no Movimento SC pela Educação, ocorreu durante o painel “Mapa da Empregabilidade de Joinville”, promovido pela ACIJ, nesta segunda-feira (23). O evento teve a participação do presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar; do prefeito de Joinville, Adriano Silva; do presidente da ACIJ, Marco Antonio Corsini; e do presidente do Consep (Conselho das Entidades Patronais Conveniadas), Emerson Zappone.

“Estamos vivenciando um bom problema. Melhor a falta de trabalhador do que a falta de emprego. Temos na FIESC competência e qualificação para mitigar esse problema no curto prazo. Estamos preparados para fazer aquilo que for possível para que tenhamos uma quantidade maior de jovens habilitados com qualificação técnica”, disse. Ele salientou que o Brasil não valoriza a qualificação técnica. “Apenas 11% dos jovens se qualificam tecnicamente, muito diferente dos países mais desenvolvidos. Qualificar o trabalhador e o estudante para que tenham acesso ao mercado de trabalho é uma necessidade. O SENAI está preparado. O índice de empregabilidade dos egressos da instituição supera os 90%”, destacou.

A meta do Joinville Emprega+ é beneficiar, até o final do ano, 1.500 moradores que estejam fora do mercado de trabalho e contar com a participação de, pelo menos, 20 empresas promotoras. Um dos diferenciais, de acordo com o Marco Antonio Corsini, está na sua execução, que será feita nos bairros. Para isso, a prefeitura irá disponibilizar a estrutura das escolas municipais, ociosas no período noturno. “A participação é gratuita e estarão envolvidas entidades e ONG's dos próprios bairros, que atuarão como mobilizadores desde o início do Programa, aumentando a adesão e a aderência do estudante. Vamos trabalhar sob demanda, junto com o SENAI”, destaca Corsini.

O prefeito Adriano Silva apresentou a estrutura das entidades municipais para oportunizar formação e vagas de trabalho. “Um dos principais problemas do município é a vinda de imigrantes sem qualificação e que acabam entrando para a informalidade. A requalificação profissional é importante. É obrigação do município estar junto. A prefeitura irá investir R$ 500 mil para execução do Joinville Emprega+. Somos um time trabalhando para o futuro da nossa cidade”, garantiu.

Emerson Zappone apresentou a pesquisa feita junto a empresas de Joinville para identificar os problemas causados pela falta de mão de obra qualificada, que originou a promoção do painel “Mapa da Empregabilidade de Joinville” e o novo programa. Segundo o presidente do Consep, os candidatos que aparecem, não têm qualificação. “As empresas e agências de emprego têm levado uma média de quatro semanas para fechar uma vaga pela falta de pessoal qualificado. Muitas vezes o que ocorre é que as pessoas acabam trocando de empresa, gerando uma nova vaga”, relatou. De acordo com os dados apresentados, 70% das vagas são operacionais ou técnicas. Há um desalinhamento entre a oferta e a necessidade do mercado de trabalho, não apenas de cursos, mas de modalidades. É necessário desenvolver mecanismos de monitoramento da empregabilidade dos egressos.

Um dos principais objetivos do Joinville Emprega+ é manter como diferencial competitivo da cidade de Joinville, uma força de trabalho de alta qualificação e performance. 
 

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina