Ricardo Paes de Barros, do Instituto Ayrton Senna, destaca estudos internacionais que comprovam que investir em educação é um bom negócio para todos 


Florianópolis, 28.10.2019 – Ajudar crianças e adolescentes a desenvolver competências estratégicas é um desafio para pais, escolas e indústria. Mas cada real investido na educação dos estudantes tem retorno dez vezes maior, segundo estudos internacionais. Os dados foram apresentados pelo economista-chefe do Instituto Ayrton Senna, Ricardo Paes de Barros, em encontro realizado pela FIESC em Jaraguá do Sul no sábado (26), dentro da programação do Universo #VemFazer SESI SENAI. 

“Todos os estudos mostram que se você investir em educação você vai ter uma criança com melhor desenvolvimento e isso vai trazer uma repercussão gigantesca para o país. As estimativas são de que se você investe R$1 real em educação, o retorno supera R$ 10”, frisa o economista. 

Paes de Barros mostrou levantamento que mostra a evolução de estudantes que têm acesso a um programa de educação socioemocional. “O impacto é muito positivo em termos de comportamento social, regulação de estresse, conduta e habilidades socioemocionais”, descreveu. Em Santa Catarina, 30 escolas da rede pública estadual integram proposta de educação integral para o ensino médio que teve início em 2017 e conta com parceria do Instituto Ayrton Senna e apoio do Instituto Natura. “A avaliação do primeiro ano do programa mostra que os alunos estão mais responsáveis, curiosos, autoconfiantes, criativos e colaborativos”, comentou o economista. 

Programas de educação socioemocional também são mais relevantes para estudantes de origem pobre, que têm menos oportunidades. “Isso reduz a desigualdade e dá condições para competir numa sociedade injusta, pois traz mais resiliência para o jovem”, explicou Paes de Barros. “Entender o que é preciso desenvolver nos estudantes é a intersecção de três coisas: o que é um bom ser humano, de que forma a escola pode contribuir para formar esse cidadão e o que o mundo espera dessa formação”, acrescentou.

Marina de Cuffa, especialista em design educacional do Instituto Ayrton Senna, lembrou que a educação socioemocional é intrínseca à formação e isso vem se potencializando nos últimos anos. “As competências têm um padrão e se desenvolvem de acordo com a experiência de cada um. O professor é o agente transformador que faz com que o aluno consiga se observar e se autoconhecer”, disse. 


Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina
imprensa@fiesc.com.br | 48 3231 4244
 

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco