Assunto foi discutido nesta segunda-feira (3) pelos presidentes da Federação das Indústrias, Mario Cezar de Aguiar, e da SCGás, Willian Lehmkuhl


Florianópolis, 3.8.2020 – A segurança no suprimento de gás natural preocupa o setor industrial, responsável por 80% do consumo estadual do insumo. Santa Catarina foi o estado com maior retomada na demanda no País e já se aproxima dos níveis utilizados pré-pandemia, informou nesta segunda-feira (3), o presidente da SCGás, Willian Lehmkuhl, em reunião com o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), Mario Cezar de Aguiar. “Precisamos nos preocupar com alternativas para assegurar o suprimento e os investimentos na expansão da infraestrutura, especialmente se no futuro for confirmada a perspectiva de redução nas tarifas”, disse Aguiar.

Antes da pandemia, o consumo de gás natural estava na casa de 2,3 milhões de m³ diários no estado, acima da capacidade da distribuidora. O total chegou a cair 50% e agora já está novamente em 2,1 milhões de m³. Na reunião, FIESC e SCGás avaliaram alternativas de curto, médio e longo prazos para enfrentar a questão. Entre as alternativas de curto prazo discutidas está a importação de gás natural liquefeito em contêineres para atender o setor industrial. No médio prazo poderia haver algum incremento na oferta por meio do aumento da pressão do gasoduto Bolívia- Brasil, e no longo prazo as alternativas passam por ajustes no marco regulatório para assegurar novos projetos estruturantes na área. “Estamos em um momento importante, pois o reposicionamento estratégico da Petrobras e do governo serão decisivos para o abastecimento deste insumo fundamental para a indústria”, afirma Aguiar.


Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina