Saúde, longevidade e previdência desafiam a indústria e o País

Especialistas nacionais e internacionais discutiram os temas na Jornada Inovação e Competitividade da Indústria Catarinense, na manhã desta quarta-feira (17)
Imprimir
  • Na abertura da Jornada, Côrte ressalta a necessidade de se investir na saúde das pessoas (Fotos: Marcus Quint)

Confira a cobertura fotográfica completa da Jornada no Flickr da FIESC.

Florianópolis, 17.05.2017 – “As tendências demográficas demonstram a necessidade de as empresas e seus executivos incluírem a gestão em saúde e bem-estar entre as suas prioridades. Para evitar um sério problema no futuro, os cuidados com a saúde física, psíquica e a qualidade de vida dos trabalhadores, precisam começar a ser planejados agora”, destacou o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, na abertura da 6ª edição da Jornada Inovação e Competitividade da Indústria Catarinense. O evento, que segue até sexta-feira (19), é o principal encontro da indústria do Estado e apresenta temas fundamentais para o desenvolvimento e o futuro do setor como saúde e segurança, educação, ambiente institucional e inovação e tecnologia.

Côrte enfatizou que a necessidade de mudanças cria um ambiente desafiador e estimulante para as empresas. “As que se mostrarem mais proativas estarão em melhor posição para se manterem competitivas e preservarem seu capital humano. Afinal, profissionais saudáveis são ativos estratégicos e constituem um diferencial competitivo”, frisou, citando projeções do IPEA sobre a população brasileira, que mostram que em 2030, as faixas entre 25 e 59 anos ocuparão a maior parte da pirâmide etária. “Além disso, a população de 60 anos ou mais terá quase dobrado. Em 2050, a população que era adulta em 2030 estará mais velha, e a pirâmide etária terá se invertido em relação à de 2010, com um grande número de pessoas com mais de 50 anos”, pontuou.

“A questão, então, é pensar numa maneira de estimular as pessoas a cuidarem mais da sua saúde e não ficarem doentes, pois uma vez que a doença está instalada, os custos são mais elevados”, argumentou Côrte, salientando as ações desenvolvidas pela Aliança Saúde Competitividade em todo o Estado. A iniciativa busca o engajamento e a participação de lideranças empresariais, acadêmicas, políticas e da sociedade na promoção da saúde e de ambientes seguros para o trabalho, por meio de sensibilização, mobilização e reposicionamento do tema, principalmente na indústria.

Referências no tema

De acordo com o americano Michael Roizen, médico do Cleveland Clinic e autor do best-seller do New York Times, RealAge, existem mais de 150 fatores que afetam a idade. “Os quatro principais estão relacionados com a atividade física, o hábito de fumar, os cuidados com a alimentação e o gerenciamento do stress. Um fumante, ao parar de fumar, pode rejuvenescer dez anos e o consumo regular de café em doses adequadas previne 10 tipos de câncer”, exemplificou. Além disso, Roizen também recomendou a redução do consumo de carne vermelha e aconselhou dar pelos menos 10 mil passos por dias como forma de atividade física.

O presidente do Centro Internacional de Longevidade (ILC), Alexandre Kalache, palestrou sobre a revolução da longevidade. Ele destacou que a população está envelhecendo de maneira extraordinária e que seus impactos já podem ser sentidos em todos os setores da sociedade. “O mantra é: Quanto mais cedo melhor, nunca é tarde demais. Para que possamos envelhecer bem, é necessário acumularmos ao longo da vida quatro capitais fundamentais: saúde, conhecimentos, capital social e financeiro. Se você ainda não começou a buscar esses itens, comece. Você precisa se preparar para o envelhecimento”, pontuou Kalache. Na década de 40, a expectativa de vida do brasileiro era de 43 anos. Hoje, a média é de 75 anos e em breve, as crianças nascerão com perspectivas de viver mais de 85, esclareceu o presidente do ILC.

Para concluir os debates da manhã, José Cechin, engenheiro, economista, político e diretor-executivo da Federação Nacional de Saúde Complementar (Fenasaúde), Giovanni Cerri, médico radiologista e vice-presidente do Instituto Coalizão Saúde e Baldur Schubert, representante da Organização Ibero Americana de Seguridade Social (OISS), debateram os temas saúde, longevidade e previdência em painel mediado por Emmanuel Lacerda, gerente executivo de Qualidade de Vida do SESI Nacional.

Para a Cechin, a sociedade está envelhecendo e aumentando muito a proporção de idosos. “De cada 100 pessoas nascidas vivas mais de 50 mil chegam aos 80, 90 anos de idade. É fantástico, mas deve-se atentar para o fato de que essas pessoas ficarão aposentadas por mais tempo”, disse, lembrando que isso fará com que as despesas aumentem muito. “Este é um assunto que a sociedade precisa resolver. Outra consequência da longevidade é que, das pessoas com mais de 80 anos, quase 90% tem pelo menos uma doença crônica, que não são curáveis, mas precisam de tratamento. Queremos bons anos de vida, saudáveis, mas isso depende de cada um”, completou.

De acordo com Giovanni Cerri, o setor privado pode ajudar o Brasil a expandir novos modelos de atenção aos idosos e a lidar com a tripla carga de doenças. “Para acompanhar o novo perfil populacional, o Brasil precisa expandir os modelos de atenção aos idosos, a exemplo dos países desenvolvidos”, disse. Para Cerri, o Brasil precisa trabalhar em quatro alavancas principais para expandir suas ações de promoção e prevenção: integrar dados do paciente e identificação de perfis de risco; adotar programas que utilizam enfermeiros e médicos da família (assim é possível diminuir a taxa de mortalidade de alguns grupos de risco em até 70%); fazer campanhas e políticas com uso de técnicas de reforço positivo e fazer com que o empregador tenha papel ativo.

Segundo Baldur Schubert, a previdência e o envelhecimento são grandes desafios para o País. “Temos no Brasil uma expectativa de vida cada vez maior. Obviamente, que precisamos, então, investir mais precocemente em saúde e prevenção. É com otimismo que vejo o futuro, mas deve-se ressaltar que isso também trará um custo para a sociedade, que é manter essas pessoas por mais tempo”, disse, afirmando que para as empresas é também interessante ter um trabalhador altamente produtivo, satisfeito e com qualidade de vida.  

O gerente do SESI, Emmanuel Lacerda, falou que a saúde, a segurança e previdência são temas emergentes e importantes na agenda empresarial, representando um custo de bastante peso para as empresas. “Para os trabalhadores também a manutenção da saúde e da integridade física, do ponto de vista de segurança do trabalho, são fundamentais. É um casamento perfeito de interesses entre as empresas que já não suportam mais o custo da seguridade e os trabalhadores que buscam a preservação da sua saúde. Só por meio do diálogo podemos construir um projeto para a indústria e o Pais”, salientou.

Convênios

No evento, o Instituto Coalizão Saúde (ICOS) aderiu à Aliança Saúde Competitividade, iniciativa desenvolvida pela FIESC e pelo SESI, com o objetivo de conjugar esforços para estimular a promoção da saúde por meio de maior educação da população e atuação do empregador. “A saúde é uma preocupação cada vez maior de qualquer país que almeja uma posição de desenvolvimento. Não existe país desenvolvido sem população saudável e isso afeta diretamente toda a cadeia produtiva”, disse Giovanni Cerri, médico radiologista e vice-presidente do Instituto Coalizão Saúde.  

Também foi realizado convênio entre FIESC, SENAI, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Empresa Brasileira de Pesquisa de Inovação Industrial (EMBRAPII). A assinatura visa a facilitar o financiamento de projetos inovadores já aprovados pelos polos e unidades credenciadas da EMBRAPII e aptos a receber recursos da entidade.

Empresários, diretores e gerentes, autoridades, representantes do universo acadêmico e dirigentes de sindicatos industriais reúnem-se para analisar e debater os desafios. Também está disponível o aplicativo Jornada 2017 para celulares (IOS e Android) e tablets.

No dia 19, às 10h30, será realizada a solenidade de entrega da Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina. Os industriais Ademar Sapelli, de Brusque, Álvaro Weiss, de São Bento do Sul, Carlos Rodolfo Schneider, de Joinville, José Samuel Thiesen, de Saudades, além do governador Raimundo Colombo, receberão o mais alto reconhecimento da indústria do Estado, da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). O industrial Ingo Fischer, de Brusque. A cerimônia de homenagens é exclusiva para convidados.

A Jornada é patrocinada pelo SESI Nacional, SENAI Nacional, SESI/SC, SENAI/SC, PREVISC, CREDIFIESC e BRDE, e conta com o apoio institucional da Associação Catarinense de Imprensa (ACI).

Veja a programação para esta quinta-feira (18 de maio)

Manhã

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

8h30 – Credenciamento

9h30 – Abertura

Glauco José Côrte, presidente da FIESC

9h50 – Indústria + Avançada: Difusão de tecnologias de digitalização & conectividade

Marcelo Fabricio Prim – gerente-executivo de inovação e tecnologia do SENAI

10h30 - Liderando o Mercado pelas Tecnologias de Ponta - Tecnologias de Manufatura Avançadas dentro da Produção Digital Integrada

Eckart Uhlmann, diretor do Instituto Fraunhofer de Sistemas de Produção e Tecnologia de Design (IPK) - Alemanha

11h15 - Indústria 4.0 orientada pelo mercado

Engenheiro Naldo Dantas, consultor Inovares Consultores Associados

12h - Inovação de todos os lugares e de todos: usando o universo da inovação para incorporar a inovação em sua empresa (Videoconferência)

Nancy Tennant, professora-adjunta e CEO da Innovation Universe

12h45 – Encerramento

À tarde

AMBIENTE INSTITUCIONAL

14horas - credenciamento

14h30 - Abertura

Glauco José Côrte, presidente da FIESC

14h45 - Os acordos de negociações Internacionais e seus Impactos no comércio mundial

Tatiana Lacerda Prazeres, assessora sênior do diretor-geral da OMC

15h15 – Os acordos de negociações internacionais e seus impactos no comércio exterior brasileiro

Abrão Miguel Árabe Neto, secretário de Comércio Exterior do MDIC e Carlos Eduardo Abijaodi, diretor de desenvolvimento industrial da CNI

16h15 - Debate

Mediadora: Maria Teresa Bustamante, presidente da Câmara de Comércio Exterior da FIESC

16h45 – Encerramento

19 de maio

10h30 - Solenidade de entrega da Ordem do Mérito Industrial e do Mérito Sindical (evento exclusivo para convidados)

 

Assessoria de Imprensa

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina