Realizado em parceria com as agências espaciais brasileira (AEB) e americana (NASA) e com participação das escolas de SESI e SENAI de Florianópolis, Brusque e Criciúma, além da escola municipal do bairro Pantanal, evento terá foco em produção de imagens e sensoriamento remoto

Florianópolis, 03.9.2019 – Será aberta nesta quarta-feira (4), no SENAI Florianópolis (rodovia SC 401, 3.730) o ciclo catarinense da Olimpíada de Desenvolvimento Espacial e Aplicações (ODE), promovida em parceria entre as agências espaciais brasileira (AEB) e americana (NASA). Até o final de novembro, equipes do SESI e SENAI – 9º ano do ensino fundamental de Brusque e Criciúma e 1º ano do ensino médio de Florianópolis –, além de um time do 9º ano da Escola Municipal Beatriz de Souza Brito, do bairro Pantanal, realizarão as tarefas de produção de imagens aéreas e sensoriamento remoto para coleta de dados referente a condições atmosféricas. Para a realização das tarefas, cada equipe usará um drone, que será doado pela organização do evento às escolas. 

A olimpíada integra o programa Global Learning to Benefit the Environment (GLOBE), que é uma cooperação internacional entre a AEB e a NASA, voltada a dados espaciais relacionados à gestão ambiental. O objetivo central do programa é desenvolver metodologias científicas para a solução de problemas da sociedade utilizando conhecimentos das áreas de ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. 

As equipes que disputarão a Olimpíada serão compostas por dois alunos e duas alunas cada, com a orientação de um professor. Com a ajuda dos drones, as equipes produzirão fotos aéreas, que serão submetidas a uma plataforma educacional desenvolvida pelo SENAI e comparadas com outras fotos registradas por agências profissionais. Focada na área de sensoriamento remoto, a Olimpíada visa à divulgação de temas espaciais e a capacitação por meio de experimentos simples. No primeiro dia de atividades, os competidores serão capacitados a operar os drones e receberão instruções detalhadas sobre a disputa.

Dentro da programação do dia 4 de setembro, será realizada capacitação de uma centena de professores de ciências e matemática da EJA e Ensino Médio do SESI e SENAI e do ensino fundamental da rede pública. Ao final, os docentes estarão qualificados a orientar seus alunos para realizar medições ambientais, coletar e reportar subsídios ao banco de dados Globe. Um dos objetivos centrais da capacitação dos profissionais é estimular docentes a desenvolver atividades com alunos estimular o desejo nos jovens por profissões nas áreas de ciências e matemática. O workshop será ministrado pelas docentes americanas Russanne Low, do Institute for Global Environmental Strategies, e Renée Codsi, que é cientista e ativista da Justiça Climática. 

Os participantes captarão informações científicas seguindo os protocolos relacionados à atmosfera e insetos. O primeiro caso compreende atividades de coleta e análise de dados referente ao clima da Terra, interpelações entre os oceanos, a atmosfera, os processos geológicos com dados da atmosfera, precipitação líquida, temperatura do ar e umidade relativa. O segundo contempla a identificação de focos de mosquitos e de dados ambientais com o intuito de identificar gênero, fase larval e a relação com doenças e o ambiente. Os participantes receberão informações sobre gênero do mosquito Aedes Aegypti, doenças transmissíveis, fatores que interferem no ciclo de vida e reprodução dos mosquitos, epidemias, mudanças climáticas, armadilha e técnicas para a coleta de larvas, funções do aplicativo Globe Observer e importância do registro do volume de chuvas, fator primordial para entender o clima da região. 

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina
imprensa@fiesc.com.br

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco