Trabalhadores podem concluir ensino básico e ter acesso à educação profissional

Parceria do SESI com o SENAI oferece aos industriários 1,6 mil vagas em cursos de educação de jovens e adultos concomitantes com cursos de qualificação profissional
Imprimir
  • O esmerilhador Marconi é um dos alunos do programa EJA Profissionalizante (Foto: Divulgação/Schulz)

Florianópolis, 6.10.2017 – Trabalhadores de todo o Estado que querem concluir a educação básica e ainda se qualificar profissionalmente podem se matricular na EJA Profissionalizante. O programa é resultado de uma parceria entre SESI e SENAI, entidades da FIESC, para ampliar a formação do trabalhador da indústria. Para se matricular, é necessário buscar a unidade do SESI mais próxima com os documentos pessoais em mãos. Neste semestre, são 48 novas turmas, totalizando 1,6 mil vagas disponíveis. 

Uma delas está na Schulz, de Joinville, onde 35 trabalhadores estão concluindo o ensino médio e frequentando o curso de qualificação profissional em usinagem convencional com introdução a CNC. Quem está aproveitando essa nova chance é Marconi Juvino de Souza, esmerilhador da área de acabamento da fundição. “Constituí família muito cedo e não concluí a escola. Sempre ficou essa lacuna de ter o segundo grau para poder ter mais oportunidade e também aproveitar os benefícios que a escolaridade traz”, conta o trabalhador. “Havia um espaço vago na mente querendo ser preenchido e eu agarrei essa oportunidade oferecida pela Schulz. Corri atrás, falei com a supervisão, dei o meu nome e me informei. Vou aproveitar o curso para ter uma remuneração melhor e um diploma. Esse é o meu objetivo”, completa.
 
Marconi afirma que os benefícios oferecidos pela Schulz é um incentivo a mais para voltar a estudar. “Além de concluir o ensino médio, podemos fazer um curso profissionalizante de excelente qualidade. Isso sem contar os benefícios que foram pensados para dar esse estímulo (lanche, material, vale transporte)”, cita. O trabalhador afirma que vai continuar estudando. “Quero poder atuar nas funções que o curso vai me habilitar e, futuramente, continuar a estudar. O curso despertou em mim a vontade de querer ainda mais”, fala. 

Vagas em todo o Estado - No Extremo-Oeste, as entidades oferecem turmas gratuitas nas cidades de São Miguel do Oeste e São José do Cedro. As aulas acontecerão uma vez por semana presencial. Em Rio do Sul, as matrículas vão até o dia 30 de outubro e os estudantes podem optar entre quatro formações técnicas: assistente administrativo, controlador e programador de produção, assistente de controle de qualidade e desenhista mecânico. 

Entre os principais resultados deste programa, implantado de forma piloto em São José em 2016, está a permanência em sala de aula. Estima-se que 70% dos alunos devem concluir o curso neste formato, contrariando as estatísticas de evasão da EJA no Brasil (que é de aproximadamente 50%). Atualmente, o SESI possui 16 mil alunos estudando em cursos de educação básica para jovens e adultos. 

A movimentação de trabalhadores nos últimos anos reforça a importância da educação para o mundo do trabalho. O saldo de empregos (admitidos – desligados) dos trabalhadores com ensino básico completo é sempre superior aos que não possuem esta qualificação. No ano passado, um ano de reajuste econômico, em que ocorreram diversos desligamentos, o saldo de empregos das pessoas com qualificação foi de 2.531, enquanto dos empregos das pessoas com escolaridade básica incompleta o saldo foi negativo (-35.537). Os trabalhadores qualificados são os últimos a serem desligados e os primeiros a serem admitidos no mundo do trabalho.

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina