A partir de SC, indústria do País tem acesso à inovação em laser e manufatura

Institutos do SENAI em Joinville receberam investimentos de R$ 59,7 milhões e foram oficialmente entregues nesta quinta-feira (21)
Imprimir
  • Presidentes da CNI e FIESC (centro) reforçaram a importância dos Institutos da Indústria para a competitividade das empresas (foto: André Kopsch)

Veja no Flickr da FIESC a cobertura da solenidade de entrega
Veja no Flickr da FIESC imagens da estrutura do Instituto da Indústria 

Joinville, 21.9.17 – Com a entrega dos institutos SENAI de Inovação em Sistemas de Manufatura e em Processamento a Laser, a partir de Santa Catarina a indústria brasileira tem acesso às inovações de referência mundial. A instalação dos dois institutos, em Joinville, recebeu investimentos de R$ 59,7 milhões, sendo R$ 25 milhões em obras e R$ 34,7 milhões em máquinas e equipamentos, com recursos da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com o BNDES. A cerimônia de entrega foi realizada nesta quinta-feira (21) e contou com a presença dos presidentes da FIESC, Glauco José Côrte, da CNI, Robson Braga de Andrade, além do vice-governador, Eduardo Pinho Moreira, e outras autoridades.

“O mais importante é que estamos dando um passo largo no sentido de consolidar Santa Catarina como Estado de inovação e os industriais sabem que é através da inovação, fruto de uma educação de qualidade, que podemos nos situar entre as principais regiões inovadoras do País”, afirmou Côrte. O presidente da FIESC ressaltou ainda que o desafio é preparar o Estado para a quarta revolução industrial que está chegando muito rapidamente. “Mas nós temos um objetivo: que os frutos do desenvolvimento alcancem as famílias, os jovens e as crianças catarinenses que hoje estão entrando nas escolas. Queremos um Estado que promova as pessoas e dê oportunidade a elas de crescerem e terem uma educação de qualidade. Isso vai garantir trabalhadores mais produtivos e fazer com que a indústria se torne mais competitiva, vai gerar mais empregos e teremos um Estado muito bem desenvolvido”, declarou. 

Braga de Andrade, da CNI, disse que Santa Catarina é um Estado empreededor por natureza, com vocação para a indústria.“E isso faz de Santa Catarina um Estado com empresas que têm visão de crescimento e desenvolvimento. Faz diferença na atração dos centros de inovação e tecnologia. Os institutos significam mais produtividade e competitividade, mas, principalmente, capacidade de competir no mercado globalizado. O que estamos fazendo hoje é dotar a indústria brasileira de condições para competir com outros países e polos industriais que estão sempre inovando e procurando atender o consumidor da melhor forma”, disse.

O diretor regional do SENAI/SC, Jefferson de Oliveira Gomes, explicou que os sistemas de manufatura atuam mais voltados a projetos e máquinas e o de laser tem uma infinidade de aplicações, que vai de poços de petróleo a hospitais. “Os institutos criam uma atmosfera de inovação e um habitat para empresários, estudantes e empreendedores com ideias e foco nos negócios”, resumiu.

“O espírito de inovação e de empreendedorismo é uma marca de Santa Catarina, que tem um excelente capital humano e um empresariado atuante e que, a partir dessas competências, busca uma ação de maior inserção da indústria nas cadeias globais de valor, disse o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi.

“Hoje tecnologia e inovação são fundamentais para competir no mercado. Com os institutos, Santa Catarina dá um passo gigantesco no sentido de tornar o Estado cada vez mais competitivo”, declarou Pinho Moreira.

Institutos da Indústria: Além da infraestrutura laboratorial, os institutos foram concebidos com laboratório aberto, salas de aula, salas de pesquisa e salas das indústrias, nas quais as empresas poderão desenvolver os seus projetos de pesquisa. Em 2016, os dois institutos realizaram quase 50 projetos de inovação, totalizando 45 mil horas de consultoria e inovação. Este ano, eles foram credenciados pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) para realizar projetos para a indústria, contando com recursos diferenciados para financiamento.

Com oito mil metros quadrados de área construída, a nova sede está plenamente adequada ao atendimento das necessidades tecnológicas. A obra é dotada, por exemplo, de sistemas que impedem a trepidação dos equipamentos de alta precisão provocada pelo trânsito nas imediações.

O Instituto SENAI de Inovação em Sistemas de Manufatura oferece soluções em modelagem, simulação e manufatura para sistemas que exigem alta precisão produtiva. Sua infraestrutura possui laboratórios de Usinagem Avançada, Microusinagem, Microinjeção e EDM, Medição por Coordenadas e Digitalização, Ensaios Mecânicos, Química Instrumental, Difração de Raio-X, Microscopia Eletrônica e Névoa Salina. Atua no desenvolvimento de processos de usinagem, de máquinas e produtos automáticos e tecnologia de materiais aplicados. Nestes focos de atuação, podem ser desenvolvidos e caracterizados materiais metálicos micro e nanoestruturados através de análises químicas e físicas, além de diversos ensaios mecânicos. Há também o desenvolvimento de novos componentes metalmecânicos por meio de métodos e materiais inovadores aliados à engenharia reversa e simulação computacional. Os segmentos estratégicos de atendimento são as indústrias aeroespacial, automotiva, metalmecânica, energia e óleo e gás, entre outros.

O Instituto SENAI de Inovação em Processamento a Laser é o primeiro centro de processamento de materiais a laser da América Latina. Com aplicações em vários setores industriais, o laser tem propriedades diretamente ligadas aos conceitos da manufatura avançada, podendo ser utilizado em múltiplas tarefas. Por isso, é uma das tecnologias mais versáteis e em expansão da atualidade. O instituto possui os laboratórios de Manufatura Aditiva (SLM), Deposição de Metais a Laser (LMD – a segunda maior máquina do mundo), Revestimentos, Corte e Solda a Laser e de Texturização de Superfícies.