Em Chapecó, SENAI revitaliza unidade e entrega novos laboratórios

Obras somam aproximadamente R$ 2 milhões de investimento e fortalecem a oferta de formação profissional na região
Imprimir
  • Presidente da FIESC, Glauco José Côrte, coordenou a entrega da revitalização e dos centros automotivo e moveleiro (foto: Júnior Duarte)
  • Centro Moveleiro do SENAI Chapecó (foto: Júnior Duarte)
  • Centro Automotivo do SENAI de Chapecó (foto: Júnior Duarte)
  • Câmara Regional do Movimento SC pela Educação se reuniu na manhã desta terça (20), em Chapecó (foto: Divulgação/FIESC)

Chapecó, 20.6.2017 – O SENAI, entidade da FIESC, entregou nesta terça-feira (20), em Chapecó, as obras de revitalização da sua estrutura no município e dois novos ambientes (Centro Automotivo e Centro Moveleiro). O investimento foi de aproximadamente R$ 2 milhões. A iniciativa mostra que Santa Catarina está preparada para adaptar-se às mudanças que se sucedem em velocidade impressionante e aos desafios que se apresentam à indústria, disse o presidente da FIESC, Glauco José Côrte. “Aqui não apenas se investiu em uma infraestrutura capaz de fornecer as melhores condições à formação de profissionais adequados às necessidades das indústrias, mas também ao desenvolvimento sustentável de setores que, juntos, respondem por 74% dos empregos da região e 65% de suas exportações, o que torna este espaço se torna um importante passo na busca pelo aumento da competitividade do Oeste catarinense”, afirmou, lembrando da força do setor agroindustrial na região.

O Centro Automotivo conta com uma área aproximada de 600 metros quadrados, divididos em oficina mecânica e elétrica, salas de aulas, salas de apoio. Atualmente estão em andamento três turmas de curso técnico e três turmas de cursos de qualificação na área. Já o Centro Moveleiro surgiu com o objetivo de atender uma demanda de treinamento e qualificação na área de madeira e móveis, por iniciativa do setor produtivo, e é uma parceria da FIESC com o Simovale, Amoesc e a prefeitura municipal de Chapecó. Além de atender à demanda de treinamentos, o centro moveleiro atua com serviços de consultoria em processo produtivo, prestação de serviços técnicos e tecnológicos na área de madeira e móveis. O novo espaço conta com mais de 400 metros quadrados de área, além de infraestrutura necessária para a realização de formações na área com novos equipamentos, observando a atualização tecnológica do setor.

Côrte destacou que a entrega das intalações do SENAI em Chapecó, a exemplo da abertura oficial do SESI em Pinhalzinho, realizada na segunda-feira (19), mostra que as entidades da FIESC seguem a lógica do industrial catarinense, que não deixa de investir, mesmo quando a conjuntura é desafiadora, como a atual. Ele citou uma série de projetos que serão entregues neste ano pela FIESC em diversas regiões catarinenses, lembrando que os Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação investiram, somente em 2016, quase R$ 25 milhões. “As mudanças e evoluções constantes que permeiam o mundo dos negócios demandam constante adaptação. Para as indústrias, essas transformações impõem readequação de suas estruturas produtivas em ambientes concorrencialmente crescentes – ainda mais em momentos de crise, quando a disputa aumenta. Para os trabalhadores, o desafio está no acompanhamento das qualificações exigidas, seja na formação continuada ou na preparação para atividades específicas, o que impacta diretamente os jovens, que logo se tornarão a força motriz da atividade econômica”, contextualizou.

O vice-presidente regional Waldemar Schmitz lebrou que os investimentos representam uma resposta a reivindicações da região. “Vivemos um momento que exige de nós esforço para manutenção dos negócios. Todos sabem que a crise política e econômica afeta a tomada de decisões estratégicas. Mas mesmo em meio às dificuldades, fomos ousados na decisão de investir nas mehorias e qualificação de nosso atendimento”, disse.

Manter o SENAI atualizado e alinhado com as necessidades da indústria depende de um esforço coletivo, com a participação da sociedade, afirmou o diretor regional da instituição, Jefferson de Oliveira Gomes. Ele lembrou que a unidade de Chapecó surgiu em 1974 e já formou 150 mil pessoas desde então. “A cidade tem 211 mil habitantes. Considerando que 89% das pessoas estão empregadas, podemos dizer que aqui é um lugar onde o trabalho é valorizado e acontece. Somos puxados pela sociedade”, disse.

Movimento pela Educação – Antes do ato de entrega das novas instalações foi realizada reunião da câmara regional do Movimento SC pela Educação, com um balanço dos principais projetos em curso na região. Entre eles estão o Novos Caminhos, que leva formação básica e profissional para adolescentes que participam de programas de acolhimento do Estado e que, ao completar 18 anos, precisam deixar os abrigos onde vivem; o Eu Voluntário, que estimula o voluntariado na área educacional; e o Inovação na Educação: avaliando habilidades de Criatividade e Pensamento Crítico, voltado ao desenvolvimento de habilidades socioemocionais, resultado de parceria entre FIESC, Instituto Ayrton Senna e as secretarias de Estado da Educação e do município de Chapecó, além de envolver a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

No encontro, o assessor do Movimento, Antônio José Carradore, anunciou os principais projetos para o segundo semestre, entre os quais a realização de seminário sobre educação de jovens adultos, dia 27 de julho, em Blumenau. A proposta é discutir a criação de um ecossistema para atuação em rede das instituições ligadas à questão. Na oportunidade também será lançada campanha estadual para mobilizar jovens e adultos, além de suas famílias, para permanência nos programas educacionais para conclusão da educação básica.

O presidente da FIESC encerrou a renião explicando as razões para o foco da FIESC na saúde e na educação. “A educação precisa ser continuada hoje, até porque estamos vivendo mais no Brasil. Por isso estamos discutindo a longevidade, que aumenta em paralelo à redução na quantidade de jovens que chega ao mercado de trabalho. Profissionais vão ficar mais tempo trabalhando e precisam ter saúde e estar qualificados, motivo pelo qual a  FIESC lançou o Movimento pela Educação e a Aliança Saúde Competitividade”, disse Côrte.

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina