FIESC recebe Programa Conhecendo a Indústria

Representantes da CNI, TCU, Senado Federal, Segov, MCTIC, MAPA, Casa Civil, Câmara dos Deputados e MDIC conheceram empresas de SC e a atuação da FIESC e suas entidades
Imprimir
  • Programação se encerrou com encontro na FIESC, em Florianópolis, nesta sexta-feira (8). Foto: Filipe Scotti
  • Iniciativa apresenta as ações e a estrutura da Federação e suas entidades (Foto: Filipe Scotti)

Florianópolis, 8.12.2017 – A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) recebeu nesta sexta-feira (8), em Florianópolis, o Programa Conhecendo a Indústria, realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio da sua diretoria de relações institucionais, em parceria com a Federação. Foram apresentadas ações e a estrutura da FIESC e de suas entidades (CIESC, SESI, SENAI e IEL) a representantes do TCU, Senado Federal, Segov, MCTIC, MAPA, Casa Civil, Câmara de deputados e MDIC. O grupo, que chegou a Santa Catarina nesta quarta (6) também esteve em Araquari e Joinville, onde realizou visitas técnicas às empresas BMW e Döhler, além de conhecer as instalações do SESI e do SENAI. O objetivo é evidenciar os modelos de gestão de inovação e transparência das indústrias e instituições visitadas.

No encontro, o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, destacou os principais números da indústria catarinense, que tem mais de 50 mil empresas e 734 mil trabalhadores. Ele informou que no Estado 98% são indústrias de micro e pequeno portes. “A indústria tem uma participação no PIB da ordem de 29%, uma das mais altas do Brasil. Somos a indústria mais diversificada do País e temos a menor concentração de setores, características que dão um bom equilíbrio em relação ao desempenho do segmento”, afirmou Côrte. Ele também apresentou os principais focos de atuação da FIESC e suas entidades em áreas como ambiente institucional, educação, tecnologia e inovação e saúde e segurança. 

O diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, disse que o modelo de atuação de SESI e SENAI na educação profissional é semelhante ao europeu. “A estrutura de produção do SENAI é uma fotografia da indústria. O que demonstra que a instituição tem total aderência à indústria brasileira. O País não teria feito a revolução industrial que fez na segunda metade do século passado sem a instituição. Não tem um empreendimento industrial que largou no País sem a participação sólida do SENAI fazendo um papel importante nesse processo de transformação”, declarou. Ele também lembrou que a entidade antecipa as tendências para a indústria, especialmente em inovação e tecnologia, e chamou a atenção para o trabalho do SESI em saúde e segurança do trabalhador.  

 

Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina