Iniciativa do Todos Pela Educação quer elaborar estratégia para a educação básica do Brasil avançar 50 pontos no PISA em 12 anos; projeto foi apresentado nesta terça-feira, na FIESC, será entregue aos candidatos à presidência e aos governos estaduais

Confira a cobertura fotográfica completa no Flickr da FIESC

Florianópolis, 27.3.2018 – Travar uma batalha pela educação. É o que pretende o projeto Educação Já, do Todos Pela Educação. A iniciativa foi apresentada nesta terça-feira (27), na reunião do Conselho de Governança do Movimento Santa Catarina pela Educação, na FIESC. O grupo passa a integrar o projeto que dialogará com candidatos ao governo e à presidência da República, mostrando as urgências do setor educacional.

O projeto Educação Já vai entregar aos candidatos uma proposta de estratégia nacional para a educação básica com 12 diretrizes pronta para ser implementada no início do mandato. O objetivo é elevar o Brasil em 50 pontos no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA, na sigla em inglês) em 12 anos. O convite para integrar o projeto foi prontamente aceito pelo presidente da FIESC, Glauco José Côrte. Ele chamou atenção dos participantes para as questões ligadas à revolução tecnológica. Estudos mostram que, em 2050, um terço da população estará desempregado ou trabalhando na informalidade. “Como podemos ajudar os jovens a adquirir novas habilidades para ocupações que sequer existem? Uma educação com mais qualidade vai permitir que tenhamos pessoas mais preparadas, conscientes, menos dependentes do Estado e com capacidade de gerenciar melhor a sua vida”, avaliou. 

“Não é a toa que o Brasil vive crises sobrepostas e múltiplas. O Brasil tem essa situação porque nunca priorizou os esforços em educação. Nunca tivemos a educação como um pilar central. Existe uma relação muito clara entre educação e violência. A evasão escolar é uma porta de entrada para a violência”, alertou Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos Pela Educação. Ela mostrou que um ano a mais de educação tende a reduzir a incidência de aprisionamentos entre 11% a 16%, segundo dados do Ministério da Justiça.

De acordo com o Ipea, para cada 1% a mais de jovens entre 15 e 17 anos nas escolas, há uma redução de 2% na taxa de pessoas assassinadas nos municípios brasileiros. Estimativas mostram que a probabilidade de um indivíduo com até sete anos de estudo ser assassinado no Brasil é 15,9 vezes maior de outro indivíduo que tenha ingressado na universidade, o que mostra que a educação é um verdadeiro escudo contra os homicídios no Brasil. 

A educação também tem relação com eficiência produtiva, que pode ser potencializada com o aumento da qualificação do trabalhador, por exemplo. “Enquanto que em outros países existe uma relação positiva entre educação e produtividade, no Brasil a gente aumentou os anos de estudo, mas não a produtividade. Não basta escolarização, é preciso aprendizagem que faça sentido”, acrescentou Priscila. 

BNCC – No encontro, o secretário de Educação e presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Eduardo Deschamps, adiantou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio deve ser entregue ao CNE no próximo dia 3. “A tendência é que, assim como na aprovação da BNCC para a educação infantil e para o ensino fundamental, ocorram audiências públicas para a discussão do texto apresentado”, afirmou o secretário, que tem expectativa de aprovar a base do ensino médio ainda este ano. 

Dia da Família na Escola – Côrte reforçou o convite para as atividades do Dia da Família da Escola, que será celebrado no próximo dia 7 abril. O dia vai propor uma reflexão sobre o projeto de vida do estudante, que precisa de apoio para traçar o próprio caminho. Todas as escolas municipais e estaduais, além da rede escolar da FIESC (SESI e SENAI), FECOMERCIO (SESC e SENAC), FAESC (SENAR) e FETRANCESC (SEST e SENAT), estão mobilizadas para promover ações educativas, recreativas e culturais alusivas ao tema. Entre as atividades que serão promovidas estão palestras com especialistas sobre projeto de vida e escolha profissional, ações de estímulo à leitura e oficinas de brincadeiras tradicionais. 

O consultor Mozart Ramos abordou o tema central do Movimento para 2018, que é a educação integral. “Uma educação integral visa permitir aos estudantes desenvolverem as competências cognitivas e socioemocionais necessárias para viver no século 21, além de poder realizar seus projetos de vida”, explicou. 

Roque Mattei, presidente da Undime-SC e secretário municipal de educação de Joinville, relatou os benefícios da formação oferecida para professores da rede pública com especialistas de Singapura. “Nossos professores serão multiplicadores, desenvolvemos um projeto alinhado ao currículo do município. Vamos trabalhar com tecnologias de educação a distância para dar continuidade ao projeto e atingir 50 mil crianças da rede municipal”, comentou. Saiba mais sobre a formação em Joinville

Os jovens embaixadores da educação Maria Eduarda Ignácio e Gabriel Lemke, do Vale do Itapocu, também deram o seu recado na reunião. Falaram sobre o workshop Conexão Jovem e a importância de ouvir esse público. “São jovens falando com jovens e sabemos que é a nossa geração que vai decidir o futuro”, declarou Maria Eduarda.

Fabrízio Pereira, superintendente do SESI, detalhou o Programa Novos Caminhos, executado no âmbito do Movimento. A iniciativa é resultado de uma parceria da FIESC com a Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (CEIJ/TJSC), a Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SC), o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (FECOMERCIO). Desde 2013, quando o programa foi criado, mais de 800 adolescentes foram atendidos e 203 foram encaminhados ao mundo do trabalho.

O assessor executivo do Movimento, Antonio Carradore, falou sobre as ações previstas para este ano, como a realização da terceira edição do Prêmio Santa Catarina pela Educação e a intensificação das ações de voluntariado. Ele citou ainda a capacitação de professores de Joinville por especialistas de Singapura com foco em metodologias inovadoras para o ensino das ciências e da matemática e a certificação Google de escolas do SENAI que utilizam ferramentas da empresa para otimizar o ensino dos estudantes.  

A reunião foi acompanhada por representantes das secretarias estaduais de Educação e das Federações das Indústrias dos Estados de SE, PE, RN, MS, DF, PB e ES, que participam do projeto Educação para flexibilização do Ensino Médio, em parceria com o Itaú BBA.


Assessoria de Imprensa
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina
48 | 3231 4244
imprensa@fiesc.com.br