Levantamento foi apresentado durante seminário realizado pela FIESC, nesta terça-feira (4), em Florianópolis

Florianópolis, 4.11.2014 - Um mapeamento inédito mostra como funciona a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina e os seus principais desafios. O levantamento, realizado pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL/SC), foi apresentado no seminário "A indústria e os resíduos sólidos", promovido pela Federação, nesta terça-feira (4), em Florianópolis. Para a pesquisa foram realizadas 87 entrevistas presenciais, em todas as regiões do Estado, com a participação de quatro elos da cadeia de reciclagem: coleta, triagem, revenda e recuperação de materiais.

No caso da coleta seletiva, os principais desafios são a forma como é realizada, a periodicidade, o escoamento dos resíduos e a conscientização da população. Em relação aos centros de triagem, foram destacadas a falta de força de trabalho qualificada, informalidades por parte das empresas que atuam na atividade, como a falta de licença ambiental, por exemplo. No caso das empresas que revendem os materiais recuperados, os desafios são a elevada tributação, baixa lucratividade e dificuldade de adequação às exigências legais. As indústrias de recuperação de materiais destacaram como obstáculos a bitributação e a manutenção e aquisição de máquinas. Clique aqui e veja a apresentação da pesquisa.

"É preciso olhar para o resíduo de uma forma diferente. É uma matéria-prima e tem toda uma cadeia por trás. Há pessoas para fazer a triagem e recuperação, por exemplo, para poder voltar ao consumidor como produto", afirmou a especialista do IEL/SC, Paloma Zimmer, que apresentou o trabalho.

A questão da reciclagem ganhou mais força com a instituição, em 2010, da Política Nacional de Resíduos Sólidos, lei federal que regula o destino do lixo produzido no país. Um dos pontos que preocupam é a implantação da logística reversa, que é o retorno à cadeia produtiva dos materiais descartados.

"Poucas pessoas estão atentas ao problema. Mas não podemos tomar nenhuma ação se não soubermos onde estamos. Conhecemos os primeiros resultados do estudo e já temos um bom encaminhamento", afirmou o presidente do Comitê Estratégico da FIESC para Logística Reversa, Albano Schmidt. Ele destacou que diversas cidades brasileiras estão sediando a Semana do Lixo Zero, e o evento da Federação contribui com as discussões sobre o assunto.

O encontro desta terça-feira foi mais uma ação do Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense, iniciativa da FIESC e suas entidades (FIESC, CIESC, SESI, SENAI e IEL). Lançado em 2012, reúne 63 ações concretas em áreas como resíduos sólidos, recursos hídricos, mudanças climáticas, eficiência energética, saneamento, entre outras. Veja mais no site www.fiescnet.com.br/sustentabilidade.

Nova Bolsa de Resíduos: No seminário, a FIESC também lançou a nova Bolsa de Resíduos, que pode ser acessada no endereço www.brfiesc.com.br. A iniciativa tem a finalidade de identificar oportunidades de negócios para os resíduos. Por meio do portal, demandantes e ofertantes negociam entre si. Basta cadastrar-se gratuitamente. Com o novo formato, a ferramenta permite acesso por smartphones e tablets, oferece mais segurança, agilidade nos acessos e no cadastramento, além de ter uma interface gráfica mais moderna. O BRFIESC foi lançado em 2004 e recebe cerca de 12,5 mil acessos por mês, tem 520 anúncios ativos, a participação de 24 Estados e conta com 1.521 empresas cadastradas.

 

PRINCIPAIS DESAFIOS DA CADEIA 
 

COLETA SELETIVA
-Forma em que a coleta seletiva é realizada (separação).
-Periodicidade coleta seletiva.
-Escoamento dos resíduos (local para disposição).
-Conscientização população.
 

CENTROS DE TRIAGEM
-Força de trabalho (falta qualificação, informalidade).
-Informalidade das empresas (Licença ambiental inexistente na maioria).
-Local inapropriado para armazenamento.
-Contaminação dos resíduos desde a coleta.
 

EMPRESAS DE REVENDA
-Tributação (recolhimento sobre produtos já tributados na cadeia).
-Descarte de rejeitos (custo adicional para a disposição final).
-Baixa lucratividade.
-Catadores informais (desvantagem concorrencial entre empresas formais e informais).
-Carência de trabalhadores.
-Dificuldade de adequação às exigências legais (ambiental)
 

INDÚSTRIAS DE RECUPERAÇÃO
-Bitributação quando aplicado a logística Reversa.
-Carência de resíduos selecionados.
-Carência de trabalhadores (preconceito).
-Dificuldade de adequação às exigências legais (ambiental)
-Manutenção e aquisição de maquinário (empresas menores).

 

Dâmi Cristina Radin
Assessoria de Imprensa da FIESC
48 3231-4670 | 48 8421-4080
damicr@fiescnet.com.br

 

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco