Programa da FIESC incentiva e capacita pequenas empresas para o mercado internacional

No mundo dos negócios as oportunidades muitas vezes estão por perto, mas é necessário uma chacoalhada, ou um empurrão, para que as empresas consigam agarrá-las. Assim ocorre com o comércio exterior, especialmente para as empresas pequenas e mesmo para as médias. Muitas são aptas a se inserir em cadeias globais de fornecimento, e há boa oferta de programas gratuitos de apoio à internacionalização.

::: Conexões globais impulsionam bons negócios.

Mas, para aproveitá-los, às vezes há necessidade de se contratar profissionais, ou os empresários, por desconhecimento, enxergam somente as dificuldades do processo e não as oportunidades, o que geralmente mata a ideia no nascedouro. “Nós vamos levar o assunto para essas empresas, instigá-las e ajudá-las a dar o passo decisivo para a internacionalização”, afirma Maria Teresa Bustamante, coordenadora do Programa de Internacionalização da Indústria de Santa Catarina, da FIESC.

Uma das ações é a organização e o mapeamento dos programas existentes. Entre os de âmbito nacional e estadual foram identificados 60 iniciativas e serviços disponíveis, sendo que 95% são gratuitos. A FIESC vai realizar diagnósticos individuais para avaliar o grau de maturidade dos participantes e poder indicar os melhores caminhos para a capacitação. Micro e pequenas empresas serão o foco de eventos de sensibilização que serão realizados em 2019 – 26 ao todo, nas 16 vice-presidências regionais da FIESC. Os eventos serão dirigidos à alta direção das empresas e a profissionais de comércio exterior. Um evento em Florianópolis reunirá as entidades que compõem o ecossistema catarinense voltado à internacionalização.

As ações se agregam a serviços já oferecidos pela FIESC, como o Centro Internacional de Negócios, que faz promoção, prospecção, inteligência comercial, capacitação e emissão de certificados de origem, além de organizar missões internacionais. A Investe SC, agência oficial de atração de investimentos para o Estado, funciona nas dependências da Federação, e o Observatório FIESC, que reúne informações de suporte à decisão da indústria, se integra ao programa e coordena a criação de uma plataforma para compor todo o ecossistema catarinense. A FIESC também intensifica a agenda de visitas de representantes de países e empresários estrangeiros. “Assim nos tornamos o ponto focal da internacionalização da indústria em Santa Catarina”, diz Maria Teresa.

:: Acompanhe a edição completa da Revista Indústria e Competitividade.

Entre em contato

Tire dúvidas, envie sugestões e reclamações

Fale conosco