Opinião: Saúde na estratégia empresarial, por Glauco José Côrte

Confira artigo do presidente da FIESC, publicado nos jornais Diário Catarinense, A Notícia e Jornal de Santa Catarina na quarta-feira, dia 2 de novembro
Imprimir
  • Presidente da FIESC, Glauco José Côrte (Foto: Fernando Willadino)

O Brasil vive uma transição demográfica que merece mais atenção. Dados do IBGE mostram que, em 2030, a média de vida do brasileiro será de 78,3 anos, o que representa acréscimo de 11,3 anos em relação a 1991. Com o envelhecimento da população teremos pessoas economicamente ativas por mais tempo. É preciso garantir que essa longevidade seja saudável e produtiva. Esse é um desafio que ninguém vai vencer sozinho. Os setores público e privado, além das organizações não governamentais, precisam atuar em sintonia.

Nas empresas, saúde, bem-estar e segurança no trabalho precisam ser percebidos como questões estratégicas, que devem ser tratadas diretamente pelos presidentes. Elas melhoram a vida das pessoas e promovem a competitividade. Em outras palavras, são, também, um bom negócio.

A FIESC, especialmente, por meio do SESI, quer fazer pela saúde do trabalhador o mesmo que está fazendo pela melhoria do seu nível de escolaridade. Por meio da Aliança Saúde Competitividade, uma ampla rede de atores sociais está sendo convidada a discutir o tema e a propor soluções. Definimos quatro eixos de atuação: a) disseminação de conhecimento para atender as necessidades das indústrias catarinenses na área; b) sensibilização de líderes industriais e trabalhadores sobre a importância e benefícios do investimento em promoção da saúde; c) mobilização da indústria, trabalhadores e redes de parcerias para ações integradas; e d) oferta de soluções para o desenvolvimento e gestão de ambientes e comportamentos seguros e saudáveis na promoção da saúde integral (física, emocional e social).

Assim agindo, contribuiremos para uma longevidade mais saudável e produtiva, possibilitando o aumento do valor e da reputação dos negócios. E todos ganham. O trabalhador;  que com novos hábitos, torna-se mais saudável e feliz em seus relacionamentos, tanto no trabalho quanto no seu lar e em sua comunidade. A empresa,  que com trabalhadores comprometidos  e ambientes seguros, torna-se mais produtiva e competitiva. E ganha a sociedade, que passa a contar com cidadãos mais conscientes, saudáveis e dispostos.